Ninguém gosta de interromper aquela pedalada para encher pneu, mas esse é um mal necessário. Felizmente, são vários os modelos de bomba de bicicleta no mercado que podem transformar o inconveniente em um processo rápido e prático. Se você quer aprender mais sobre essas bombas, seja muito bem-vindo ao ReviewBox Brasil.

Nós queremos deixar tudo ainda mais fácil para você, mostrando tudo o que você precisa levar em conta na hora de escolher a sua bomba de bicicleta.

Levantamos os melhores exemplares, explicamos os diferentes tipos de bomba e qual combina com a sua bicicleta e o uso que você dá a ela. Continue rolando, e melhor ainda: pedalando!

Primeiro, o mais importante

  • Antes de tudo, é preciso saber qual o uso que você dá a sua bike. Recreação, transporte, competição, cada um tem uma bomba mais indicada.
  • Da mesma maneira, vale aprender sobre cada modelo, entre portátil, de piso e de suspensão, especialmente se você pedalar para mais de um fim.
  • Os preços, entre R$ 25 e R$ 250, variam mais de acordo com o material (plástico, alumínio) e adendos (mangueira dobrável, manômetro) do que sua eficiência, que está mais ligada ao uso da bicicleta.

Você também pode gostar:

Ranking: Os 3 melhores modelos de bomba de bicicleta

Sair com os pneus da bicicleta calibrados é uma questão de segurança e conforto. Por isso, escolher a bomba certa também é uma parte importante do processo para quem gosta de passear com a bike por aí. Listamos 4 excelentes modelos de bomba de bicicleta para que você não fique na mão.

1º – Bomba De Ar Suspensão

Encontre esse produto em Amazon.com.br

A Bomba de Suspensão de 300 PSI da TSW combina os melhores atributos disponíveis hoje no mercado, com um design arrojado, corpo de alumínio e mangueira de borracha dobrável. Na tecnologia, se diferencia pela função de micro ajuste durante a soltura do ar.

Até por isso, é recomendada à oficinas, apesar da leveza, pesando menos de 500g. Com o manômetro de visão simplificada, é também uma boa pedida para usuários de amortecedores e suspensão a ar.

2º – Bomba Bicicleta Giyo GF-5725

A Giyo não é uma das líderes do mercado por acaso. Sua bomba de piso (ou de base ou de pé) é a mais completa do segmento, a começar pelo manômetro, não tão comum nos demais.

Há também a válvula inteligente, compatível com marcas como Presta, Schrader e até Dunlop. Com pressão máxima de 160 PSI, o modelo é ideal para bikes de estrada e ótimo para se deixar na garagem de casa ou do prédio, de base estável e corpo resistente de alumínio.

3º – Bomba Para Bicicleta Mini Manual Starfer

A Bomba Mini Manual da Starfer é a grande companheira das pedaladas. Medindo 28 cm de comprimento e apenas 22 mm de diâmetro, conta ainda com adaptador para ser preso no quadro da bicicleta.

Tem o corpo em liga de alumínio, material mais leve, e conta com bico versátil, para todas as válvulas, e ainda acompanha duas ponteiras adaptadoras, o que significa que também pode ser usada para encher bolas e bóias.

Guia de Compra

Andar de bicicleta é uma das tarefas mais populares do mundo, praticada por crianças e adultos desde os primeiros anos de vida. Porém, o prazer de pedalar pode ser substituído pelo estresse se algum componente da bike não estiver funcionando 100%. E o componente que mais costuma trazer problemas é o pneu.

Se você não quer ficar na mão quando decidir pedalar por aí, ter uma bomba de bicicleta pode evitar muitos problemas. Continue lendo nosso Guia de Compra e saiba como escolher o modelo ideal para você.

ciclista na estrada. a imagem não mostra sua cabeça

Calibrar os pneus da bike é tarefa essencial para qualquer ciclista. (Fonte: falco / Pixabay)

O que é uma bomba de bicicleta e quais suas vantagens?

É muito difícil imaginar o ciclismo sem a bomba de bicicleta. Imagina só ter de encher os pneus como se enche uma bexiga de festa? Cansativo, além de pouco higiênico, no mínimo.

As bombas são essenciais para a manutenção prática dos pneus. Como todos os componentes de bike, foram evoluindo ao longo do tempo, agregando novas tecnologias e novos materiais.

Imagem mostra oficina de bicicleta, com uma bicicleta ao lado de uma bomba de piso e uma mangueira em primeiro plano. Ao fundo, ferramentas diversas na parede, acima de um gaveteiro.

As bombas são vitais para o funcionamento e para a manutenção das bicicletas. (Fonte: Alexander Dummel / Pexels)

A liga de alumínio é um destes, além da fibra de carbono, que deixaram os produtos mais resistentes sem perder a leveza. Manômetros, botões de soltura rápida do ar e de micro ajustes da pressão tornaram calibragem mais precisa, entre outras inovações.

Ainda assim, seu funcionamento é basicamente o mesmo: uma câmara de ar que, a partir da pressão em seu pistão, injeta ar para outra câmara por meio de uma válvula.

Na contramão da modernização, o barateamento da produção diminuiu a resistência de alguns produtos, em especial os de corpo e acabamento em plástico, sem falar da inconveniência de bicos quebrados ou entortados.

Há também a questão da precisão da calibragem, que diminuiu em produtos mais portáteis.

Benefícios
  • Portabilidade
  • Preços mais baixos
  • Tecnologia na calibragem
Desvantagens
  • Menor precisão na calibragem
  • Menor resistência
  • Preços mais altos

Bomba portátil, de piso ou de suspensão?

Apesar de um produto simples, isto é, de injetar ar para dentro de uma câmara, há uma grande variedade de bombas manuais, de funcionamentos diferentes e para fins distintos.

As mais populares são as bombas portáteis, ou mini bombas. Com um comprimento um pouco menor que 30 cm, são mais simples e podem ser acopladas ao quadro da bike. Há a variação da bomba de quadro, similares, mas na média dos 40 cm.

Ambas são bombas de menor custo e indicadas para a maioria dos usos, mas são pensadas como uma medida provisória, numa pausa de uma pedalada, por exemplo. Bom mesmo é tê-las como complemento de uma bomba de piso, ou de pé, chamada assim por ter um base que deve ser pressionada com os pés contra o chão.

Dessa forma, a câmara de ar pode ser maior (cerca de 50 cm), assim como o volume de ar injetado e, é claro, a velocidade de enchimento.

Esse segmento é ideal para qualquer tipo de uso regular da bicicleta, seja recreação, transporte ou competição. Estes últimos, no entanto, como qualquer outro fim que exija uma maior performance e segurança, pedem uma bomba de suspensão.

Imagem mostra ciclista pedalando em alta velocidade ao centro, sob uma bike preta e fundo preto.

Bikes de maior performance pedem a precisão da bomba de suspensão. Fonte: (Pixabay / Pexels)

Item obrigatório de oficinas, esta bomba prioriza a pressão em detrimento do volume do ar. Isso a torna ideal para bikes com amortecedores e suspensão à ar – daí o nome. Mountain Bikers (MTB), atenção: esta é a bomba para vocês.

Bombas portáteis Bombas de piso/pé Bombas de suspensão
Ponto forte Portáteis Maior volume de ar Maior pressão
Ideal para Solução provisória Ter em casa Bikes de alta performance
Uso Geral Geral Competição e MTB

Bomba de bicicleta precisa de manutenção?

A resposta é sim. Especialmente para quem já possui a bomba há mais tempo e percebeu que ela não tem feito seu trabalho tão bem quanto deveria. Mas não se preocupe, uma bomba de ar pode durar alguns anos sem essa preocupação, de qualquer forma, em algum momento ela vai perder o desempenho e precisará da manutenção.

Você pode pedir para alguém que entenda fazer a manutenção para você, ou se aventurar por conta própria, já que os passos não são complexos.

  1. Desmontagem: A primeira coisa a ser feita é abrir a bomba de bicicleta. Ou seja, desmontar o equipamento;
  2. Limpeza: Em seguida, é necessário fazer a limpeza de cada um desses componentes com um pano com álcool. Manuseia as peças com cuidado, algumas são frágeis, podendo quebrar ou arrebentar. O tubo da bomba deve ser higienizado no seu interior, novamente com um pano com álcool ou desengraxante. Essa pode ser a parte mais chata da manutenção, já que colocar o pano no interior do tubo pode ser um desafio;
  3. Lubrificação e montagem: Feito isso, é só engraxar as peças – sem exagerar – e montar a bomba novamente, com muito cuidado.

Com a manutenção em dia, sua bomba de bicicleta não te deixará na mão no momento em que você mais precisa.

Quanto custa?

A variedade de modalidades da bomba de bicicleta acaba por variar também seu preço. É possível encontrar preços entre R$ 25 e R$ 250, para se ter uma noção. Via de regra, mais do que as finalidades, são os materiais e os componentes que acabam ditando o preço.

Um modelo de plástico, por exemplo, tem um valor muito menor do que um de fibra de carbono, enquanto outro de corpo de alumínio e acabamento em plástico leva um valor intermediário.

O mesmo vale para componentes: manômetro, mangueira de borracha, botão de soltura de ar, aumentam o preço do produto.

John F KennedyEx-presidente dos Estados Unidos

“Nada se compara ao simples prazer de andar de bicicleta.”

Onde comprar?

Com essa quantidade de variáveis, o melhor seria recorrer a lojas físicas especializadas e a assistências de seus vendedores. Centauro e Decathlon são duas das maiores e mais procuradas.

Se, no entanto, você quer uma compra à um clique de distância, lojas online como a Amazon, Netshoes, Americanas, as próprias especializadas, têm modelos e preços em abundância.

Critérios de compra: O que comparar para escolher sua bomba de bicicleta?

Apesar da infinidade de modelos e funções entre bombas de bicicleta, a ReviewBox Brasil simplifica para você, elencando apenas quatro elementos, simples e fundamentais para comparar na hora do “vamos ver”.

  • Uso da bicicleta
  • Material e acabamento
  • Válvulas
  • Manômetro e Pressão

Confira, abaixo, cada item detalhado para que você possa fazer a melhor escolha na hora de comprar sua bomba de bicicleta.

Uso

Tecla batida durante o Guia, o uso da bicicleta é o que vai guiar a escolha do modelo da sua bomba de bicicleta, entre as portáteis, as de piso e as de suspensão.

Se você tiver uma pegada mais recreativa e esporádica da sua bike, a bomba portátil serve a seu propósito. Se você pedala com mais frequência, mas sem muita exigência, uma calibragem regular com uma bomba de piso cumpre a missão.

Para competições e Mountain Bike, porém, a precisão e multifuncionalidade da bomba de suspensão é essencial.

Em primeiro plano ciclista pedalando em alta velocidade na rua, com pedestres desfocados em segundo plano.

A bomba de piso é uma boa pedida para quem usa a bike de transporte. (Fonte: Snapwire / Pexels)

Material e acabamento

Definidos os modelos, a composição do corpo e do acabamento são os próximos itens a serem comparados.

Variando entre plástico, aço, alumínio, liga de alumínio e fibra de carbono, o material é o que dita a resistência entre os portáteis e a durabilidade entre os de precisão, como a bomba de piso e a de suspensão.

Nas mini bombas, a maior diferença está entre as feitas de plástico e as não feitas de plástico. Se as primeiras são mais leves e mais baratas, são menos resistentes a eventuais quedas e choques.

Nos demais, a qualidade do material do acabamento é o que dita o quanto vão durar, devido ao uso contínuo. Mangueiras de borracha e adaptadores de aço, por exemplo, vão garantir mais anos de vida a sua bomba.

Válvulas

Outra questão para se atentar na hora da escolha são as compatibilidades com as válvulas. Elas são dispositivos que essencialmente facilitam o enchimento da câmara enquanto impedem a saída do ar.

Hoje, são três os tipos disponíveis no mercado: a Schrader, conhecida como “bico grosso”, a Presta ou “bico fino” e Dunlop, semelhante à Presta, mas pouco utilizada no Brasil. Confira, neste vídeo em inglês, uma comparação entre os tipos de válvulas:

A questão é que a bomba só funciona se for compatível, isto é, se encaixar na válvula. Portanto, você deve sempre ficar a atento a essa informação no produto.

De qualquer maneira, a maioria das bombas de bicicleta vendidas atualmente são compatíveis com a Schrader e a Presta. Nesses casos, são mencionados como “bicos versáteis”, “válvula inteligente” ou “twin”.

Fique esperto! A bomba de suspensão, por exemplo, só é compatível com a Schrader.

Manômetro e pressão

O manômetro é o medidor de pressão, similar a um relógio, que costuma a ficar na base da bomba ou do pistão. Tê-lo em sua bomba significa, então, maior precisão na hora da calibragem dos pneus.

O advento é raro, e portanto um diferencial em portáteis, mas simplesmente obrigatório em bombas de piso e de suspensão.

Manômetro em primeiro plano, com o indicador apontando para o zero, com o fundo desfocado.

O manômetro é a grande ferramenta para a precisão na calibragem e item obrigatório em bombas mais modernas. (Fonte: Brendan Humpreys / Canva)

A mesma atenção deve ser dada à pressão máxima exercida pela bomba. Para os diferentes usos e tipos da bicicleta, a pressão costuma variar entre 100 e 160 PSI. Comprar uma bomba com a pressão inferior à necessária é ineficiente; o contrário, um perigo.

(Fonte da imagem destacada: TheDigitalWay / Pixabay)

Avalie esse artigo

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
20 Voto(s), Média: 5,00 de 5
Loading...
REVIEWBOX

Postado por REVIEWBOX