Moto na estrada com dunas ao fundo.
Ultima atualização: 13 de fevereiro de 2020

Como escolhemos

10Produtos analisados

18Horas investidas

4Estudos avaliados

64Comentários coletados

Seja bem-vindo ao ReviewBox Brasil! O artigo de hoje é para quem deseja ter a moto própria, mas não pode pagar o valor total à vista. Vamos tratar, portanto, de uma das alternativas mais vantajosas: O financiamento de moto.

Ao optar por um financiamento de moto, você pega dinheiro emprestado com um banco e paga por esse empréstimo em parcelas mensais, com juros acrescidos. Por isso, é preciso atenção para escolher o banco com as melhores condições.




Primeiro, o mais importante

  • O financiamento de moto é uma ótima alternativa para adquirir a sua moto própria.
  • Mas é preciso controle orçamentário e uma análise criteriosa das condições do financiamento.
  • Nesse artigo, vamos mostrar o que fazer para escolher o melhor financiamento de motos.

Você também pode gostar:

Melhores financiamentos de moto: Nossas recomendações

O ideal para comprar motos Honda

A Honda conta com um banco próprio, que financia todos os modelos de motocicletas Honda nacionais e importadas. Além disso, é possível incluir no financiamento as despesas de documentação do veículo. São cobradas tarifas de cadastro e de aditamento, além de iOF e Cofins.

O melhor para motos de alta cilindradas

O financiamento de moto do Bradesco permite a compra de motocicletas 0km ou com até seis anos de uso, mas apenas para modelos de alta cilindrada. No Bradesco, você pode financiar entre 30% a 50% do valor total da moto, no prazo máximo de 36 meses.

A melhor opção para novas e usadas

No Santander, você pode financiar moto nova ou usada, desde que ela tenha até cinco anos de fabricação. Além disso, é possível pagar pelo financiamento em até 48 meses, com incidência de juros e IOF, mas sem cobrança de outras tarifas.

Guia de Contratação: Tudo sobre financiamento de moto

A moto é um dos veículos mais desejados, afinal é um veículo prático, que ocupa pouco espaço e tem preço mais acessível do que o carro. Mas pagar por uma moto à vista não é uma opção para a maioria dos brasileiros.

Entre as alternativas, o financiamento de moto é um dos que mais se destaca. Mas, para valer a pena, é preciso que você dedique tempo a comparar e escolher as melhores condições de pagamento. Neste Guia de Compra, vamos ajudá-lo a tirar suas dúvidas sobre isso.

Duas mulheres em um moto.

Financiar a moto pode ser a alternativa para você comprar a sua. (Fonte: Ryo Yoshitake/ Unsplash.com)

Como funciona o financiamento de moto?

O financiamento de moto funciona como se fosse um empréstimo. Primeiramente, você escolhe o modelo e a marca da moto que deseja comprar e em seguida procura uma instituição financeira que concede financiamento para motos.

Se o seu pedido de financiamento for aprovado, é a instituição financeira que irá pagar pela motocicleta. Feito isso, você já sai pilotando a sua moto nova e começa, então, a pagar pelo financiamento diretamente para a instituição financeira.

O pagamento do financiamento é feito em parcelas mensais, por um determinado período de tempo, tudo isso acordado previamente.

Duas motos paradas na estrada.

O financiamento permite que você pague pela motocicleta em parcelas mensais. (Fonte: Taras Chernus/ Unsplash.com)

Assim, mesmo antes de fechar o contrato do financiamento você já saberá quanto irá pagar pela no final das contas. E esse é um ponto que merece a sua atenção, afinal, como a instituição financeira está lhe emprestando dinheiro, você vai precisar pagá-la com juros.

Por isso, os valores das parcelas do financiamento de moto podem variar de instituição para instituição, já que cada banco propõe uma taxa de juros diferente.

Mas, além disso, as instituições financeira têm outras regras próprias como prazo de pagamento, o número de parcelas, valor total a ser financiado e a forma de financiamento.

A entrada a ser paga em um financiamento de moto costuma ser de, no mínimo, 20% do valor da motocicleta.

Uma das regras é que a grande maioria das instituições apenas financiam um parte do valor da moto.

Com isso, é preciso que você dê uma entrada, ou seja, uma parte do valor da motocicleta que deve ser pago à vista.

Por mais que isso parece um complicador, afinal você precisará poupar o valor da entrada para dar à vista, o fato é que quanto maior for a entrada, menores serão os juros e os valores das parcelas do financiamento.

Posso financiar uma moto sem entrada?

Se, por algum motivo, você não conseguir juntar o valor da entrada saiba que, sim, é possível fazer o financiamento para comprar a moto sem dar nada de entrada.

No entanto, nem todos os bancos oferecem o financiamento 100% de moto. Na verdade, a maioria das instituições financeiras financiam apenas uma parte do valor da motocicleta.

E quando as instituições oferecem o financiamento total da moto ainda assim existem algumas exigências e limitações como, por exemplo, o fato de a motocicleta a ser financiada precisar ser 0km.

É possível financiar moto usada?

Isso vai depender da instituição financeira que você escolher, já que existem bancos que concedem o financiamento apenas para motos 0km, enquanto outros disponibilizam o empréstimo também para motos usadas.

Pode haver restrições quanto ao tempo de fabricação e o modelo da moto.

Além disso, vale ficar atento porque, ainda que você possa financiar uma moto usada, dependendo da instituição financeira podem haver restrições quanto ao tempo de fabricação e o modelo da moto.

Por exemplo, alguns bancos apenas financiam 100% motos usadas que tenham até quatro anos de uso.

Outras instituições financeiras ainda colocam restrições para determinados modelos de motocicletas que podem ser financiadas 100%.

O que é melhor: Consórcio ou financiamento de moto?

Tanto o consórcio quanto o financiamento são alternativas para quem quer comprar uma moto e realizar o pagamento parcelado. Mas as semelhanças entre essas duas formas de pagamento param por aí.

Como vimos, o financiamento de moto, em geral, requer que você dê uma entrada, o que exige um planejamento maior.

Além disso, você irá pagar pelo financiamento em um longo período e com juros acrescidos.

Para fazer o financiamento de moto, também é preciso comprovar renda e ter o nome limpo.

Ou seja, dependendo da sua situação, você pode ou não ter o financiamento de moto aprovado.

Já o consórcio de moto não se trata de um empréstimo. Nesse caso, você irá se juntar a um grupo de pessoas interessadas em comprar motos.

Em seguida, cada participante do grupo do consórcio deposita mensalmente uma quantia pré-estabelecida.

Assim, todo mês o valor reunido vai para um dos participantes que é sorteado e pode usar a carta de crédito para comprar o veículo à vista.

foco

Você sabia que, ao contrário do consórcio, se você desistir ou ficar impossibilitado de pagar pelo financiamento de moto, você não receberá reembolso do que já foi pago?

Porém, é preciso paciência porque você pode ser sorteado tanto no início do consórcio quanto no final do período estabelecido.

Além disso, apesar de não haver juros no consórcio de moto, existe uma taxa de administração que é cobrada pela empresa que administra os grupos.

A seguir, você confere as diferenças entre o consórcio e o financiamento de moto.

Financiamento Consórcio
Requer entrada Depende Não
Análise de crédito Antes de aprovar o financiamento Na contemplação da carta de crédito
Cobranças Juros e taxas Taxa de administração
Recomendado para Quem tem urgência em comprar a moto Quem pode esperar

Como conseguir o financiamento de moto?

Como o financiamento é uma espécie de empréstimo, a instituição financeira vai analisar sua situação e pode ou não aprovar o crédito.

Para que você aumente as suas chances de ter aprovado o financiamento de moto, confira a seguir as dicas dos especialistas:

  • Comprove renda: Você precisa provar que tem condições de arcar com o pagamento das parcelas do financiamento. Para tanto, você pode utilizar contra-cheque, extrato bancário ou declaração de Imposto de Renda.
  • Tenha o dinheiro da entrada: Isso facilita a aprovação e melhora as condições de pagamento da dívida.
  • Reúna os documentos: Alguns documentos são exigidos por todos os bancos como, por exemplo, RG, CPF, comprovantes de residência e de renda.
  • Tenha o nome limpo: Se o seu nome estiver no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) ou Serasa, você terá poucas chances de ter um financiamento de moto aprovado. Ou seja, é preciso estar com o nome limpo para financiar a moto.

Onde contratar o financiamento de moto?

Como vimos, para contratar um financiamento de moto você deve recorrer a uma instituição financeira como, por exemplo os bancos.

Mas também existe uma outra forma de financiar a moto dos seus sonhos. Algumas fabricantes, por exemplo, contam com bancos próprios.

O importante é garantir que se trata de uma instituição séria e com tradição no mercado.

Critérios de Contratação: Como comparar os financiamentos de moto

Se você chegou até aqui é porque o financiar a moto é a sua melhor opção. Mas, como existem muitas variáveis que diferenciam um financiamento de outro, é preciso que você os analise de forma cuidadosa.

Para lhe ajudar, listamos abaixo os principais critérios que você deve levar em conta. Veja:

A seguir, vamos mostrar como você pode analisar cada uma desses fatores.

Simulação

O primeiro passo antes contratar o financiamento de moto é realizar uma simulação. Assim, será possível conhecer com antecedência todos os itens que interferem no preço e diferenciam um financiamento de outro.

Com esses dados, você vai conseguir realizar uma comparação mais precisa e, então, poderá escolher o melhor financiamento de moto de acordo com a sua condição financeira.

Juros

Observe também a taxa de juros cobrada no financiamento de moto, que é o que, de fato, aumenta o valor final que você pagará pela moto. Nos principais bancos do país, essa taxa variar bastante, em geral, entre 1,49% a 5,34%.

E funciona assim: Se você financiar uma moto de R$ 10 mil com juros de 1,49% ao mês, você terá que arcar com parcelas mensais de R$ 360,92, considerando um prazo de pagamento de 36 meses. Com isso, o gasto final da moto seria de R$ 12.933,12.

Motociclista na estrada.

Sempre opte pelos juros mais baixos. (Fonte: Razvan Mirel/ Unsplash.com)

Mas se você escolher um financiamento de uma moto de R$ 10 mil com juros de 5,34% ao mês, para pagar em 36 meses, você terá que pagar mensalidades de R$ 630,97, o que resultaria em um valor total de R$ 22.714,92.

Ou seja, nos dois exemplos citados, ainda que o valor da moto e o prazo de pagamento sejam os mesmos, a diferença no valor que você pagaria no final é de R$ 9.781,80.

Valor financiado

Outro fator que você deve considerar é que cada banco estipula o montante a ser financiado.

Como vimos, ainda que seja possível financiar todo o valor da moto, isso não é comum e gera exigências maiores.

O mais comum, portanto, é encontrar bancos que financiam entre 30% e 80% do valor da moto.

Prazo e parcelas

Além disso, fique de olho no prazo de pagamento, ou seja, por quanto tempo você terá que pagar as parcelas do financiamento de moto. Em geral, esse período varia entre 3 e 5 anos.

Também é importante ter uma renda compatível com o valor das parcelas. Por isso, os bancos, em geral, não concedem financiamentos cujas parcelas ultrapassem 30% do seu orçamento.

Resumo

Financiar uma moto é uma das alternativas para quem quer comprar uma motocicleta, mas não tem o valor total para pagar à vista.

No financiamento, o banco compra a sua moto e você paga em parcelas mensais, acrescidas de juros, por um certo período de tempo. Por isso, é importante analisar bem as condições do financiamento de motos antes de fechar o contrato.

Leve em conta a taxa de juros cobrada pelo banco, a quantidade e o valor das parcelas, o prazo do pagamento e dê preferência por ter uma boa entrada, que irá reduzir os custos da dívida no final das contas.

(Fonte da imagem destacada: Alvin Mahmudov/ Unsplash.com)

Por que você pode confiar em nós?

Victor Oliveira Consultor em Investimentos
A graduação em economia foi um caminho natural para Victor, que desde pequeno era apaixonado por números e cálculos. A explosão das corretoras de investimentos no Brasil é recente, mas para ele, o assunto é muito antigo - e importante. Trader profissional, Victor auxiliar amigos, parentes e clientes a investir o dinheiro nas melhores oportunidades, economizando sempre que possível.
Izabel Toscano Jornalista
Nômade digital, jornalista, leitora e questionadora compulsiva. Já trabalhou em jornais diários e sites de notícias no Brasil, e em plataformas online na Irlanda e na França. Hoje, roda o mundo escrevendo sobre temas variados, sempre atenta às novas tecnologias e a tudo que surge para trazer leveza à vida.