Vários alunos no dia da formatura usando beca.
Ultima atualização: 18 de janeiro de 2020

Como escolhemos

12Produtos analisados

17Horas investidas

5Estudos avaliados

61Comentários coletados

Se você passou no vestibular, mas agora procura uma forma de arcar com as mensalidades da universidade, seja bem-vindo ao ReviewBox Brasil! No artigo de hoje, nós vamos tratar de uma das modalidades que ajudam a pagar pela faculdade: O financiamento estudantil.

Com o financiamento estudantil, você garante o pagamento das mensalidades do seu curso em um período maior. Mas, como se trata de uma dívida, é importante analisar bem as opções antes de contratar um crédito estudantil.




Primeiro, o mais importante

  • O financiamento estudantil é uma espécie de empréstimo que você pega com o banco para pagar as mensalidades da faculdade.
  • Existe o financiamento estudantil público e o privado, e é importante entender bem a diferença entre eles antes de fechar o contrato.
  • Além disso, é fundamental que você faça uma simulação do financiamento para se certificar que conseguirá quitar a dívida.

Você também pode gostar:

Melhores financiamentos estudantis: Nossas recomendações

O ideal para quem vai estudar Medicina

Disponível para alunos a partir da quarta mensalidade do curso de Medicina, o financiamento estudantil do Santander tem taxa de juros a partir de 1,39% ao mês. O valor do financiamento é liberado para a universidade em parcela única referente a todo o período. As parcelas do financiamento são debitadas direto na sua conta Santander e você ainda poderá renovar o financiamento para cada período.

Para quem busca um financiamento público

Na Caixa Econômica Federal, você encontra a modalidade do financiamento estudantil do Governo Federal, o FIES, direcionada aos que possuem renda de até três salários mínimos. Se você possui renda familiar de até 1,5 salários mínimos, ainda pode contar com o juros zero. Além disso, o financiamento será pago após o término do curso.

O melhor financiamento privado

No Bradesco, você pode solicitar o financiamento estudantil que é liberado por semestre e está disponível para estudantes de instituições conveniadas. Ao pegar um crédito estudantil para um semestre, você terá 12 meses para quitar a dívida. O débito das parcelas é feito em conta-corrente.

Guia de Contratação: O que você precisa saber sobre financiamento estudantil

Mensalidades da faculdade, livros, transporte, alimentação. Estudar pode sair bem caro e o fato é que nem todo mundo consegue arcar com todas as despesas. Por isso, muitos estudantes recorrem ao financiamento estudantil.

Mas, antes de se comprometer com um financiamento, é preciso levar em consideração que você estará adquirindo um dívida. E é preciso sabedoria e planejamento para quitá-la. Para ajuda você a entender tudo sobre o crédito estudantil, nós criamos esse Guia para tirar as suas dúvidas.

Rapaz lendo livro em uma biblioteca.

O financiamento estudantil ajuda a realizar o seu sonho de se formar. (Fonte: geralt/ Pixabay.com)

O que é financiamento estudantil?

O financiamento estudantil funciona como um empréstimo. O estudante assina um contrato com uma instituição financeira que se compromete a pagar as mensalidades de parte ou de todo o curso na faculdade.

Com isso, o estudante adquire uma dívida com essa instituição financeira. O atrativo é que, em geral, o prazo para pagar essa dívida é longo, o que permite que o estudante se planeje financeiramente.

Mas a forma e as regras do financiamento estudantil variam dependendo do banco credor. Por exemplo, em alguns casos, o estudante só precisa começar a pagar a dívida após concluir o curso.

Sala de uma universidade.

O financiamento estudantil tem regras e taxas diferentes, dependendo da instituição financeira. (Fonte: nikolayhg/ Pixabay.com)

Em outros casos, é preciso pagar uma parte do financiamento para só depois conseguir financiar o restante do curso.

Além disso, as taxas de juros e os prazos para a quitação do financiamento estudantil também variam dependendo da instituição financeira.

Para quem é recomendado o financiamento estudantil?

Como possui juros acrescidos, o financiamento estudantil pode se tornar um grande problema tanto para quem não tem uma renda fixa, como para quem não tem o hábito de poupar.

Isso porque o crédito estudantil acaba comprometendo sua renda a longo prazo, sem contar que você pagará muito mais no final das contas, por conta dos juros

Por isso, antes de optar por um crédito estudantil, sugerimos que você tente outras alternativas, entre elas tentar poupar o dinheiro da mensalidades, negociar um desconto com a Universidade ou um aumento no salário.

Se nenhuma dessas tentativas surtir efeito, recomendamos que você considerar as opções a seguir:

  • Sisu: Quem faz o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) pode se inscrever no Sisu, programa que oferece vagas gratuitas em universidades públicas.
  • ProUni: Esse programa oferece bolsas de estudo parciais e integrais em faculdades privadas.
  • Bolsa de estudo: A maioria das faculdades oferecem bolsas parciais e integrais.

Apenas se nenhuma das opções acima for viável é que você deve partir para um financiamento estudantil.

Quando você optar pelo financiamento estudantil, primeiramente verifique com a sua faculdade se ela tem sistemas financiamentos próprios ou se mantém convênios com alguma instituição financeira.

Quais são os tipos de financiamento estudantil?

Hoje em dia existem duas modalidades de financiamento estudantil: O privado, concedido por instituições financeiras com regras próprias; e o crédito estudantil público.

Esse último é administrado pelo Governo Federal e conta com mais facilidades para quem tem baixa renda. Confira a seguir as características de cada modalidade:

Financiamento público

O Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) é um programa do Governo Federal que financia cursos superiores.

Nesse caso, o percentual de financiamento da mensalidade é definido de acordo com a renda familiar mensal e valor da universidade.

Entre as opções de Fies, é possível encontrar a que não cobram juros. Mas para ter acesso ao Fies é preciso cumprir alguns requisitos:

  • Ter participado do ENEM a partir da edição de 2010.
  • Ter alcançado média aritmética igual ou superior a 450 pontos e nota superior a 0 na redação.
  • Renda familiar mensal bruta, por pessoa, de até 3 salários mínimos.
  • Não ter mais de um financiamento simultaneamente.
foco

Você sabia que o FIES é um programa do Ministério da Educação do Brasil, criado em 1999?

O FIES é operacionalizado pela Caixa Econômica Federal e pelo Banco do Brasil.

Todas as operações do processo seletivo, da adesão das instituições de ensino e inscrição dos estudantes à divulgação dos resultados e entrevistas, são realizadas pela Internet.

Financiamento privado

Se você não se encaixa nas exigências do FIES, você pode optar por um financiamento privado que, em geral, é concedido por um banco ou fintech. Confira abaixo as características dessa modalidade:

  • Não exige participação no ENEM.
  • Oferece prazo menor para o pagamento da dívida.
  • Juros que variam de acordo com a instituição financeira.
  • Não tem limite máximo de renda.
  • O empréstimo é realizado para o pagamento de um semestre. Podendo ser renovado após a quitação da dívida.

Quais as vantagens e desvantagens do financiamento estudantil?

Como vimos, existem prós e contras quando tratamos de um financiamento estudantil. Com o financiamento você consegue realizar o sonho de concluir um curso superior e  conta com um prazo maior para pagar as mensalidades.

No entanto, é preciso cuidado para não contratar um crédito estudantil que tenha juros muito altos e que comprometa demais o seu orçamento.

Menina estudando.

Se você escolher bem as condições do financiamento ele pode ser vantajoso. (Fonte: nastya_gepp/ Pixabay.com)

Assim como qualquer outra categoria de financiamento, no caso do financiamento estudantil também são cobrados juros e taxas. Ou seja, ao quitar a dívida você terá desembolsado bem mais do que o valor do curso universitário.

Mas outra vantagem é que, dependendo da sua condição financeira, você pode optar pelo financiamento público, com juros menores ou sem juros; ou pelo crédito estudantil privado.

Sendo assim, resumimos a seguir as vantagens de desvantagens do  financiamento estudantil. Veja:

Vantagens
  • Facilita o pagamento do curso superior
  • Modalidade pública ou privada
  • Opções variadas de juros ou juros 0
  • Prazo longo para pagar a dívida
Desvantagens
  • Trata-se de uma dívida

O que é preciso para conseguir um financiamento estudantil?

Qualquer pessoa que tenha vínculo com uma instituição de ensino pode contratar o crédito universitário. As regras variam de acordo com a modalidade, seja ela pública ou privada. Mas, de modo geral, existem alguns pré-requisitos para o financiamento estudantil. São eles:

  • É preciso comprovação de renda e/ou ter avalista.
  • Se não tiver renda própria pode contar com fiador, pais ou responsáveis legais.
  • É preciso ter uma conta corrente no banco credor.
  • É preciso estar com o nome limpo.
  • Apresentar Declaração de Aptidão, documento emitido pela universidade.

Onde fazer um financiamento estudantil?

Como vimos, é possível contratar o financiamento estudantil em bancos ou instituições financeiras. Mas se for escolher um banco saiba que é preciso ser correntista.

Outra opção são as administradoras de consórcio. Isso porque, além do consórcio de imóveis e carros, também existe o consórcio de serviços.

Entre eles está o que permite conseguir uma carta de crédito para pagar cursos de graduação e pós-graduação. Essa é uma opção que demanda mais planejamento. Já que, apesar de não ter juros, é preciso considerar a cobrança de outras taxas e paciência para esperar ser sorteado.

Critérios de Contratação: Como escolher o financiamento estudantil

Caso você opte pelo crédito estudantil, primeiramente você precisará escolher entre o Fies e o financiamento privado. Feito isso, é hora de fazer uma simulação online para saber quais serão as condições de cada financiamento.

Dessa forma, você deverá levar em conta os seguintes fatores que se diferenciam de um banco para outro:

A seguir, vamos mostrar como você deve analisar cada um desses fatores.

Juros e tarifas

​​Quando você for comparar os melhores financiamentos estudantis, verifique os juros que são cobrados.

Os juros e as taxas variam de acordo com a instituição financeira.

Os juros e as taxas variam de acordo com a instituição financeira. E o fato é que os juros são os responsáveis por aumentar a sua dívida e comprometer o seu orçamento.

O ideal, portanto, é tentar escolher o financiamento estudantil que ofereça a menor taxa de juros.

Prazo de pagamento

Outro fator que você deve levar em consideração é o prazo de pagamento que você terá para pagar pela dívida. Por exemplo, no FIES você começa a pagar a sua dívida após concluir o curso.

Já no financiamento privado, em geral, você inicia o pagamento 30 dias após o fechamento do contrato. Além disso, o mais comum é que você tenha 12 meses para pagar o valor referente a uma mensalidade do curso.

Para ter a liberação de crédito para pagar as demais mensalidades, é preciso quitar a anterior. Ou seja, nesse caso, em um curso de oito anos, você levaria 8 anos para pagá-lo.

Pessoa usando calculadora com notebook aberto na frente.

É importante considerar os juros e os prazos de pagamento do crédito estudantil. (Fonte: FirmBee/ Pixabay.com)

Parcelas

O seu financiamento poderá ser pago por meio débito na sua conta corrente. Por isso, é importante entender bem qual será a parcela que você terá que pagar para arcar a sua dívida.

Além disso, no seu planejamento, você deve incluir, além do valor das parcelas do crédito estudantil, os gastos que você vai ter com alimentação, transporte e outros custos.

Documentação

Não deixe de verificar os documentos que a instituição financeira solicita para que o financiamento estudantil possa ser aprovado.

É importante cumprir os prazos de entrega para garantir que você vai conseguir o crédito na hora certa e evitar perder o curso.

Resumo

O financiamento estudantil deve ser a sua última escolha para pagar um curso universitário, afinal trata-se de uma dívida e toda dívida possui juros. No entanto, se essa for a sua única alternativa, basta analisar bem as condições do crédito estudantil para tirar o máximo proveito.

Você pode optar pelo Fies, que é público, ou pelo financiamento estudantil privado. Escolha uma empresa credora de confiança e compare as taxas de juros e prazos de pagamento para escolher as melhores condições de acordo com a sua condição financeira.

(Fonte da imagem destacada: StockSnap/ Pixabay.com)

Por que você pode confiar em mim?

Izabel Toscano Jornalista
Nômade digital, jornalista, leitora e questionadora compulsiva. Já trabalhou em jornais diários e sites de notícias no Brasil, e em plataformas online na Irlanda e na França. Hoje, roda o mundo escrevendo sobre temas variados, sempre atenta às novas tecnologias e a tudo que surge para trazer leveza à vida.