Imagem mostra o close do conjunto de peças brancas de um jogo de xadrez. Todas estão montadas sobre suas casas iniciais no tabuleiro.

Olá, seja bem-vindo ao ReviewBox Brasil! Hoje vamos falar tudo sobre jogo de xadrez, o melhor meio para praticar esse verdadeiro patrimônio intelectual da humanidade – que é o xadrez.

O xadrez aglutina estratégias – usadas hoje como subterfúgios para profissionais de muitos esportes -, aprendizado para os mais jovens e uma ótima atividade para os mais velhos. Um conjunto completo pode trazer tudo isso para a sua casa, e, de quebra, uma decoração elegante para o ambiente.

Neste Guia de Compra, nossa missão é te ajudar a escolher o jogo ideal, explicando as diferenças que existem entre ou conjuntos, os principais disponíveis no mercado, além de apontar suas vantagens e desvantagens e critérios úteis para a hora da compra.




Primeiro, o mais importante

  • O padrão de peças mais popular é o Staunton, estilo quase bicentenário e oficial da Federação Internacional de Xadrez.
  • É importante saber, antes da compra, qual o seu nível, entre iniciante e avançado, e principalmente seu uso para o jogo, entre casual, competitivo ou mesmo decorativo.
  • O preço dos modelos varia de R$ 25, entre os mais básicos, e R$ 900, entre ou mais luxuosos, principalmente pelo material das peças e tabuleiro.

Você também pode gostar:

Ranking: Os 4 melhores modelos de jogo de xadrez

Existem diversos tipos de jogo de xadrez, eles podem ser muito simples, ou elaborados, tornando-se verdadeiras peças decorativas. Com tantas opções, essa escolha fica muito difícil.

A seguir, elencamos os melhores modelos de jogo de xadrez disponíveis no mercado, avaliando seu custo benefício, seu conjunto entre peças e tabuleiro e até seu material.

1º – Jogo de Xadrez – Junges

A cor verde do tabuleiro causa algum estranhamento, mas o jogo da Junges tem um ótimo custo benefício. O próprio tabuleiro é feito de madeira, com marcações e fecho metálico – e de bom tamanho, 42 cm x 42 cm quando aberto, com casas de 5 cm x 5 cm.

Suas peças são em plástico maciço, que é mais resistente e durável. O kit vem ainda com peças de damas e gamão, assim como tabuleiro deste último, no verso do principal.

2º – Jogo de Xadrez – Carlu

O conjunto da Carlu tem peças grandes (10 cm para o Rei, 0,5 cm mais alto que a média) e um tabuleiro dobrável, com marcações e em MDF, que dá uma estética bacana, em especial com as peças montadas.

Estas, também em MDF, são de um preto amadeirado e um branco bem alvo, desenhadas no padrão Staunton. Destaque para o fecho do tabuleiro, de metal serigrafado.

3º – Jogo de Xadrez – Western

O grande destaque do jogo da Western são suas peças com imãs em sua base, que facilitam o manuseio durante as partidas – apesar do tabuleiro ser pequeno, de 24 cm x 24 cm.

Há também peças de damas e um mini conjunto de gamão, com 32 peças e tabuleiro desenhado no verso do principal.

4º – Jogo de Xadrez – Xalingo

O jogo da Xalingo se diz como escolar e, nessa lógica, cumpre bem seu objetivo. O tabuleiro pequeno (26 cm x 26 cm e casa de 3 cm x 3 cm) é mais adequado às mãos infantis, assim como a tinta atóxica do tabuleiro.

As peças são de plástico, mais resistentes, mesmo não sendo maciços, e o tabuleiro de madeira reflorestada. Ainda assim, é recomendado apenas para maiores de sete anos.

Guia de Compra

O xadrez, como um jogo, é universal e atemporal. Com uma linguagem simples, mas um funcionamento complexo, é “inesgotável” e, portanto, um ótimo divertimento para se ter em casa. Entreter uma visita, desafiar um amigo, ou até mesmo jogar sozinho.

Dentro dessas inúmeras possibilidades sociais e estratégicas do xadrez, vive uma extensa história e uma notável variedade de modelos e conjuntos. Vamos te mostrar um pouco deste primeiro e muito do segundo, além de suas vantagens e informações úteis sobre esse nicho de mercado.

Imagem mostra o rosto de um homem em segundo plano jogando xadrez com as peças em primeiro plano.

O xadrez é um universal, e seu jogo é uma atividade interdisciplinar. (Fonte: jarmoluk / Pixabay)

Qual a origem do jogo de xadrez?

O xadrez como conhecemos vem da Europa em meados do século XV, a partir de adaptações de jogos persas e do Chaturanga indiano.

Entre os estudiosos e entusiastas, é conhecido como Xadrez Ocidental, reconhecendo as variações orientais (árabe, turco, chinês, japonês, etc). De fato, a influência do período renascentista europeu é bem clara, como se vê nas peças como o Bispo, Cavalo e até a Torre.

Durante essa época medieval, o jogo era uma opção entre as escassas formas de entretenimento, além de uma metodologia para ensino de estratégias de guerra, aspecto bastante presente nas sociedades da época.

Essa dinâmica cultural do passado, somado aos estudos cognitivos e matemáticos mais modernos mantiveram o jogo relevante e praticamente intacto pelo mundo ocidental, até os dias de hoje.

Assim, a configuração dos jogos de hoje é a mesmo que a do primeiro torneio moderno de xadrez, que aconteceu em 1851.

Como funciona o jogo de xadrez?

São dezesseis peças para cada jogador, a serem e dispostas e movimentadas em um tabuleiro quadrado que marca em quadrados menores e equidistantes as 64 casas, que só podem abrigar uma peça por rodada.

O conjunto das peças de cada jogador é igual, sendo 1 Rei, 1 Rainha, 2 Bispos, 2 cavalos, 2 torres e 8 peões. Ou conjuntos se diferenciam por cores, quase sempre pretos e brancos, no mínimo claro ou escuro.

Ou tabuleiros também demarcam as peças alternando as cores no mesmo sentido – sem, no entanto, estarem necessariamente restritos às peças de cores correspondentes.

Imagem mostra dois senhores jogando uma partida de xadrez numa praça. Ao fundo, mais idosos numa outra partida.

O conjunto de peças e o tabuleiro se mantiveram intactos ao longo do tempo. (Fonte: Vlad Sargu/ Unsplash)

Termina aí a universalidade dos jogos, no sentido do conjunto de peças e tabuleiro. Com a expansão cultural do jogo, aconteceram diferentes apropriações de “kit”, com materiais, desenhos e até medidas diferentes, com fins diferentes, por vezes.

Quais as vantagens e desvantagens do jogo de xadrez?

O conjunto obviamente traz junto de si as muitas vantagens da prática do xadrez, aqui resumidos como benefícios lúdicos e cognitivos.

Afinal, o xadrez é a aplicação de diversas áreas do saber, úteis e universais, em uma atividade instigante e competitiva – como um esporte, aliás. Ter um jogo de xadrez em casa é ter também uma atividade altamente acessível, já que precisa apenas de um ambiente com luz e alguém para manejar as peças.

Há ainda uma questão estética. Dos mais simples aos mais trabalhados conjuntos, o visual de um jogo de xadrez montado é clássico e interessante. Tê-lo na sua sala com certeza complementará a decoração.

Imagem mostra um jogo de xadrez montado, à frente de uma parede branca. As peças claras ficam à esquerda, e as escuras, à direita.

O jogo de xadrez montado, é, por si só uma estética interessante. Mas necessita de limpeza e cuidados com as peças. (Fonte: George Becker / Pexels)

Por outro lado, há uma desvantagem prática. Montado numa mesa “permanentemente”, são 32 peças diferentes, fora um tabuleiro de média de 30 cm² para juntar poeira; desmontado, há a mesma quantidade de itens para serem posicionados antes de jogar.

Depois, apesar de universal, o jogo não é exatamente simples, pelo menos para se aprender na hora. Então, não é exatamente uma opção de entretenimento muito popular, como um baralho ou Jogo da Vida, ou mesmo uma boa e velha conversa.

E, claro, há um problema crônico com as peças, cuja ameaça de perda ronda cada canto escuro de cada cômodo, cada parte inferior de sofás e outros móveis e que é iminente em casas com crianças.

Vantagens
  • Benefícios lúdicos e cognitivos
  • Opção de entretenimento e socialização acessível
  • Decoração alternativa
Desvantagens
  • Manutenção e montagem pouco práticas
  • Entretenimento popular, mas nem tanto
  • MPeças perdidas

Jogo de xadrez Staunton ou padrões alternativos?

Se há um padrão de peças que “domina” o xadrez ocidental hoje em dia, é o Staunton.

Registrado na Inglaterra em meados do século XIX, o modelo cresceu na fama do enxadrista Howard Staunton e foi catapultado a nível internacional quando foi adotado pela FIDE (Federação Internacional de Xadrez) como o oficial de suas competições.

O motivo pela adoção – e que o mantém como o padrão mais popular – é seu desenho pensado na fácil diferenciação das peças e com referências simples e objetivas (não a reprodução exata) para a confecção das mesmas.

Os critérios do Staunton se referem às diferenças entre as peças, ao contrário de medidas ou desenhos exatos.

Imagem mostra peças dispostas sobre um tabuleiro de madeira, numa situação de xeque. O Rei branco está caído, rodeado por uma Dama e um Cavalo pretos.

O padrão Staunton é o mais popular e o oficial da Federação Internacional de Xadrez. (Fonte: Pixabay / Pexels)

Alguns exemplos são: o Rei deve ser a peça mais alta e ter um diferenciador em seu topo (cruz, florão, etc); as Torres são de torres de castelo, maiores que peões e mais baixas que ou Cavalos; as peças dos dois lados devem ter desenhos iguais; entre outros.

Esse padrão conquistou profissionais, competidores e são os melhores para o aprendizado, isto é, recomendados a todo o tipo de uso.

Há, porém, diversos outros padrões, como o inglês, o regency, entre outros, que têm medidas e desenhos mais fechados. Nenhum deles têm mais ou menos peças ou sequer mudam o jogo, mas são mais raros, restritos à clubes e colecionadores.

Variações do jogo de xadrez: Prático, de viagem, decorativo ou temático?

Além dos padrões das peças, as diferenças entre jogos de xadrez aparecem de acordo com o seu uso.

Um jogo prático (ou simples), é pensando para enxadristas regulares e, portanto, com peças resistentes, de madeira ou plástico, com tamanho e peso das peças, fora a medida do tabuleiro, pensados para o maior conforto dos jogadores.

Já um conjunto de viagem busca equilibrar esse conforto com portabilidade, diminuindo um pouco o peso e tamanho das peças. O tabuleiro também diminui e torna-se, na maioria das vezes, a própria caixa para as peças.

Imagem enfoca o conjunto de peças brancas de um jogo de xadrez temático. As peças estão caracterizadas de figuras medievais. Fora do foco, mas em primeiro plano, as peças escuras, “de costas” para a câmera.

Jogos temáticos têm peças com abstrações culturais e/ou históricas. (Fonte: Rebecca Varney / Pixabay)

Os kits decorativos, por outro lado, prezam pela estética. Peças e tabuleiros de pedra ou vidro, até metais, são os materiais mais comuns. Suas medidas, quando não fora de proporção, pensam mais no design do que na funcionalidade, às vezes com peças muito pequenas, pesadas e/ou delicadas.

Por fim, os temáticos são um meio termo entre ou decorativos e os práticos. Na verdade, mais 70% do primeiro e 30% do segundo.

São modelos com abstrações das peças originais, que representam algum universo cultural, como personagens de um filme, ou passagens históricas, como exércitos romanos ou espartanos. Há até variações mais artísticas.

Quanto custa?

Há uma grande variação nos preços dos modelos de jogo de xadrez, de R$ 25 a R$ 900, devido muito ao fim destes conjuntos, e por consequência seu material, acabamento, etc.

Os mais baratos são feitos de madeira ou plástico, para uso regular ou pedagógico. Já os mais caros são decorativos, feitos de pedras, vidro, metais, enfim, materiais de maior valor, as vezes assinados por artistas e cia.

Onde comprar?

Grandes lojas de jogos lúdicos, como a Galápagos, lojas de brinquedo como a Ri Happy, ou mesmo de departamento como a Americanas devem conter uma boa variedade de modelos, entre os mais básicos.

Para uma diversidade ainda maior de modelos e preços, incluindo os mais luxuosos, lojas online como a Amazon.com.br, Mercado Livre e Loja Lúdica são locais virtuais para se visitar.

View this post on Instagram

Vintage chess set, Bakelite

A post shared by @ schachkunst on

Critérios de compra: Fatores para comparar os modelos de jogo de xadrez

Entre peças e tabuleiro, há diversos aspectos do jogo de xadrez a se atentar. Reunimos aqui ou principais, que são também ótimos critérios para a escolha de modelos na hora da compra.

  • Finalidade
  • Material
  • Tabuleiro
  • Peso e Feltro

Veja, a seguir, a explicação de cada um dos itens, para que a sua pesquisa e a sua escolha sejam as melhores informadas possíveis.

Finalidade

Em sua enorme complexidade, o jogo de xadrez, como dissemos, tem diversos usos, de aprendizado à competição, de socialização à decoração. Cada um desses tem um ou mais modelos que se encaixam melhor ao seu respectivo fim.

Para aprendizado, por exemplo, cabem conjuntos mais simples e resistentes; para competição, kits igualmente resistentes, porém mais “ergonômicos” (peças maiores, casas maiores, etc); socializando, vale um maior peso na estética e até uma padronização Staunton.

Na decoração, vale tudo, mas jogos temáticos e/ou elegantes darão um tom melhor ao ambiente.

Imagem mostra o conjunto claro de um jogo decorativo, com peças e tabuleiros de madeira. Em segundo plano, desfocadas, estão algumas peças do conjunto escuro.

Jogos de xadrez voltados à decoração são mais agradáveis, mas costumam à ter peças, casas e tabuleiros fora de proporção, ou em medidas pouco ergonômicas. (Fonte: N R/ Unsplash)

Material

O material, principalmente das peças, é um dos critérios mais importantes. Para usos mais regulares, é necessário resistência e conforto. Plástico e polietileno, leves, baratos e duráveis, são as melhores opções. A madeira também é, mas para usos um pouco menos frequentes, devido a sua menor vida útil.

O vídeo a seguir mostra um pouco da fabricação de peças de xadrez em madeira:

Entre usos mais decorativos e exibicionistas, não há um material indicado, mas quanto mais maciço, melhor. Esse vale também para ou mais práticos, já que assim as peças são mais resistentes às quedas e pisões.

Tabuleiro

O tabuleiro é tão importante para o conjunto quanto as peças. Assim, opte pelos modelos com tabuleiros de qualidade, evitando papéis e papelões. Madeira e plástico costumam a ser boas pedidas.

Seu tamanho também é importante, de modo que as peças possam ser posicionadas e movimentadas mais confortavelmente, com casas espaçosas e bem demarcadas. Nessa lógica, é recomendável, apesar de difícil, evitar ou modelos dobráveis.

Por fim, especialmente para aprendizado, estudo ou treino, vale buscar ou conjuntos cujo tabuleiro venha com as numerações e demarcações das casas, de “1” a “8” e de “a” a “h”.

Imagem mostra tabuleiro de casas preto-e-brancas, com uma moldura de madeira. Folhas secas repousam sob as casas ao centro.

O espaçamento das casas no tabuleiro é tão importante quanto seu material. (Fonte: Jason Leung / Unsplash)

Peso e Feltro

Dois aspectos que fazem a diferença no uso e na durabilidade de seu jogo de xadrez são a presença do peso e do feltro nas peças.

O primeiro, um peso de metal semelhante a uma moeda, da estabilidade à peça. Já o segundo protege o tabuleiro de riscos e atritos a partir da movimentação das peças.

No mercado, há conjuntos com esses dois inseridos de fábrica e com os itens avulsos. Para não ter erros, dê prioridade aos primeiros.

Imagem mostra uma peça branca derrubando uma peça escura sob um tabuleiro preto e branco. O feltro do fundo da peça branca é visível.

O peso é importante para o manuseio das peças, enquanto o feltro protege o tabuleiro. (Fonte: Pixabay / Pexels)

(Foto de imagem destacada: sk/ Pexels)

Por que você pode confiar em mim?

Lucas Ayres Jornalista
Fanático por esportes e apaixonado por música, vive antenado às novas tecnologias e tendências da moda masculina. Escreve sobre os produtos que orbitam nesses assuntos, e outros que deixam a casa e o dia a dia mais fácil, prático e, além de tudo, saudável.