Imagem mostra uma mountain bike estacionada em meio à uma trilha.
Ultima atualização: 16 de agosto de 2019

Como escolhemos

14Produtos analisados

17Horas investidas

3Estudos avaliados

80Comentários coletados

Olá, seja muito bem-vindo ao ReviewBox Brasil! O texto de hoje é sobre mountain bike, também conhecido como MTB, a bicicleta própria de uma das modalidades mais populares de pedalada do Brasil.

Além de poder entrar no mundo e nas competições dos esportes radicais, a mountains bike te permite andar com velocidade e segurança nos mais diversos tipos de terrenos, rasteiros e traiçoeiros aos acidentados.

Neste Guia, vamos mostrar tudo o que há para saber sobre a mountain bike, de preços a variedades, de vantagens a desvantagens, entre outras informações úteis. Tudo para ajudar você a escolher o modelo ideal.




Primeiro, o mais importante

  • O Mountain Bike, como esporte, é muito amplo, com diversas e diferentes modalidades, tais quais o Cross Country, Downhill, Freeride, entre outros.
  • Os modelos mais buscados de mountain bike têm aros de 26, 27,5 e 29 polegadas.
  • O preço dos modelos tem uma variação grande, que vai de R$ 400 a R$ 5.000.

Você também pode gostar:

Ranking: Os 3 melhores modelos de mountain bike

Para dar aquela força na sua escolha da sua mountain bike, montamos uma lista com os melhores modelos do mercado, avaliados a partir de seu material, tecnologia e custo-benefício.

1º - Mountain Bike - Rock Mountain

A MTB da Rock Mountain é bem completa, e preparada para qualquer terreno. Com roda aro 29 e pesando menos de 16 kg, tem peças como manete, freios, cubos e câmbios com a qualidade Shimano.

O quadro de 15 polegadas é da própria Rock Mountain, de alumínio e com cinco anos de garantia. As demais peças e a pintura contam com um ano de garantia.

2º - Mountain Bike - GTSM1

O modelo da GTSM1, uma das maiores lojas de bike do país, é ideal para quem está começando no off-road, ou mesmo para quem quer trilhas mais extensas. A MTB conta com dois tamanhos de quadros e diversas opções de cores.

Pesando, montada, 18 kg, tem suspensão de alumínio reto e câmbio com 27 marchas, com engrenagens da Shimano. A roda de magnésio é aro 29, e o pneu, ainda por cima, tem câmara antifuro.

3º - Mountain Bike Freeride - Viking

Ideal para quem é praticante ou deseja entrar no mundo do freeride, o modelo da Viking conta com um ótimo custo-benefício, com roda aro 26 e garfo, câmbio e suspensão de carbono.

Conta, ainda, com 21 marchas, e freio a disco da Shimano, assim como o câmbio. O quadro hydroform é de alumínio.

Guia de Compra

O Mountain Bike cresceu muito nos últimos anos, por, de certa forma, expandir os horizontes da bicicleta, e não apenas nos terrenos. Pedalar uma MTB combina adrenalina, exercícios físicos e técnica também.

Dessa expansão surgiram certas modalidades de mountain bike, que por sua vez se diferenciam no tipo de atividade e no tipo do terreno, ou nos dois. De qualquer maneira, acabou implicando também numa variedade mercadológica de mountain bikes. Neste Guia de Compra, vamos apresentá-las à você.

Imagem mostra um rapaz controlando sua mountain bike durante um salto.

Aventura, adrenalina, técnica, concentração: a mountain bike combina tudo isso, e expandiu as pedaladas do off-road. (Fonte: Kostiantyn Kuznetsov / 123rf)

O que é a mountain bike?

Já faz um tempo que a bicicleta deixou de ser um mero meio de transporte, combinando ao seu redor atividades lúdicas, esportivas e atléticas. A mountain bike (do inglês, “bicicleta de montanha”) surge nesse contexto, como uma adaptação dessas mesmas atividades à terrenos acidentados e não convencionais, ou off-road.

A inserção da palavra “mountain” não é à toa, já que as encostas de montanhas são as que melhor representam o tipo de terreno que essa bike está preparada para enfrentar.

Basicamente, a MTB é uma bicicleta com pneus mais largos, com uma maior tração, com mais marchas, já que enfrenta subidas mais íngremes e difíceis. Possui suspensões e amortecedores mais desenvolvidos.

Imagem mostra uma mountain bike estacionada num terreno rochoso, na beira de uma praia, na luz do fim de tarde.

A mountain bike é uma bicicleta adaptada para encarar os mais difíceis e acidentados terrenos. (Fonte: Pixabay/ Pexels)

Quais as vantagens e desvantagens da mountain bike?

Uma bicicleta com adaptações tão específicas, e para enfrentar terrenos tão difíceis, a mountain bike certamente carrega algumas vantagens e desvantagens em seu uso.

Entre as vantagens, a primeira delas é, obviamente, a versatilidade de terrenos em que pode atuar, sejam eles acidentados ou off-road ou mesmo em cenários urbanos.

Afinal, se ela está apta a andar no mais complicado, por que não no mais fácil? Fora que em muitas cidades, as ruas esburacadas são quase tão acidentadas como qualquer trilha.

Outra vantagem é que sua segurança e estabilidade nos mais diversos terrenos fazem com que seja um bom ponto de partida para quem quer começar no off-road. Claro que capotes são inevitáveis, mas com uma MTB eles serão (um pouco) menos frequentes.

A mountain bike tem mais uma vantagem, que é o grande “cardápio” de modalidades, competitivas ou não, a se aproveitar. São pedaladas que vão do técnico ao físico, da liberdade ao extremo do radical.

Imagem mostra um homem pedalando uma mountain bike numa floresta, com grama alta e muitos galhos espalhados no chão.

Dá para encarar praticamente qualquer terreno com uma mountain bike. (Fonte: Stage 7 Photography / Unsplash)

Entre as desvantagens, uma delas é a manutenção. Por mais apta que seja, a mountain bike tem suas peças desgastadas com o tempo e quanto maior a regularidade das pedaladas, exige trocas e cuidado com suas partes.

Depois, temos a questão da segurança. A bicicleta pode ser estável e equipada, mas não é à prova de quedas e erros. E, convenhamos, um capote no off-road é mais perigoso, e no mínimo, mais doído.

Por fim, o que, na verdade, para uns pode ser uma vantagem, a MTB exige maior esforço físico, mesmo com sua infinidade de marchas e suas suspensões e amortecimentos de qualidade.

Vantagens
  • Versatilidade de terrenos
  • Bom para iniciantes
  • Várias modalidades
Desvantagens
  • Manutenção
  • Segurança
  • Maior esforço físico

Mountain bike hardtail ou full suspension?

Sempre é uma tarefa difícil padronizar variações de bicicletas, independente da modalidade. São produtos tão personalizáveis e com tantas combinações de peças que chega a ser um desafio classificar alguns modelos.

Nas mountain bikes, o que chega mais próxima de fazer uma divisão desse tipo é a suspensão. Dessa forma, há as MTB do tipo Hardtail e as do tipo Full Suspension, que se diferenciam na quantidade e posicionamento das suspensões.

Imagem mostra um ciclista fazendo uma curva na encosta de uma montanha, num terreno liso e profundo.

A suspensão é uma das melhores maneiras de diferenciar modelos de MTB. (Fonte: Irene Lasus / Pexels)

A MTB Hardtail (em tradução literal, “cauda rígida”) possui apenas uma suspensão, no garfo dianteiro. Seu quadro, então, é rígido. É uma bike que pode encarar praticamente todos os tipos de terrenos, auxiliando na manutenção do controle da direção em terrenos muito acidentados.

Já as Full Suspension (“suspensão total”) têm uma suspensão no garfo dianteiro e outra no quadro. Sua flexibilidade, assim, é muito maior, assim como a absorção de impacto. O foco, no entanto, é no conforto ao ciclista.

Hardtail Full Suspension
Suspensão Garfo dianteiro Garfo dianteiro e quadro
Terreno Todos os tipos Melhor desempenho em terrenos altamente acidentados

Mountain bike aro 26, 27.5 ou 29?

O aro da roda, como você deve imaginar, tem uma influência no desempenho na MTB muito maior do que se imagina. Os tamanhos mais comuns são, em polegadas, 26, 27.5 e 29.

O aro 26, o menor, é o que tem o arranque mais rápido, ideal para trajetos curtos e terrenos mais baixos. Já foi a MTB mais popular, mas foi perdendo espaço para os outros dois aros, em especial o 29.

Isso porque o 29, apesar de ter o arranque mais lento, é o que, assim que atinge uma boa velocidade. É o que tem o maior desempenho, não só em manter essa velocidade, mas também em passar por obstáculos de maneira mais limpa e com menor impacto.

Imagem mostra o close da roda de uma mountain bike e seus aros.

O tamanho do aro da mountain bike entra na questão velocidade x desempenho. (Fonte: Irene Lasus / Pexels)

O problema é o peso adicional, seja na pedalada, seja no transporte, é a maior dificuldade para pilotá-la, no sentido de mudanças de direção.

Por isso, muitos ciclistas buscam um aro intermediário, o 27.5, que tem um arranque quase tão bom quanto o 26 e um desempenho e estabilidade próximos do 29. Um modelo equilibrado, enfim.

Aro 26 Aro 27.5 Aro 29
Arranque Veloz Normal Lento
Desempenho Baixo Médio Alto
Navegação Terrenos baixos e circuitos rápidos Versátil em terrenos e circuitos Versátil em terrenos e circuitos

Quanto custa?

Como qualquer bicicleta, são muitas peças e materiais que envolvem uma mountain bike, fazendo com que a variação de preço seja relativamente grande.

É possível encontrar modelos mais básicos a partir R$ 400, assim como mais completos e profissionais na faixa dos R$ 5.000.

Onde comprar?

Se você prefere fazer suas compras presencialmente, as grandes redes de artigos esportivos, como a Centauro e a Decathlon são os lugares mais fáceis de se encontrar mountain bikes de qualidade.

Agora, se você prefere fazer sua compra no conforto de sua casa, você pode encontrar uma variedade ainda maior de modelos e preços na internet. Sites como a Amazon, Mercado Livre, Total Bike e Bike Runners são os mais indicados.

Critérios de Compra: Fatores para escolher a mountain bike ideal

Você verá a seguir a nossa lista exclusiva de critérios de compra, montada a partir de elementos da mountain bike e do seu uso. Com uma atenção especial neles, eles podem ajudar, e muito, sua escolha.

  • Nível do Ciclista
  • Tamanho do Ciclista
  • Material do Quadro
  • Modalidade
  • Marchas

Confira agora cada critério em detalhes.

Nível do Ciclista

Antes de tudo, é importante você ter noção do seu nível de ciclista, entre iniciante, intermediário e avançado. Essa informação vai moldar toda a escolha das características da MTB.

Um iniciante, por exemplo, pode se dar melhor com uma MTB de aro 26, enquanto um intermediário pode ter maior desempenho usando uma full suspension. Já um ciclista avançado, por outro lado, pode encarar qualquer uma, inclusive uma hardtail aro 29.

Tamanho do Ciclista

Além do seu nível de pedalada, o seu tamanho também influencia diretamente no modelo que você vai escolher. Mais especificamente, no tamanho do quadro.

  • Entre 1,50 m e 1,70 m: Deve procurar por quadros de 14 ou 16 polegadas;
  • Entre 1,70 m e 1,90 m: O quadro deve ter entre 17 e 20 polegadas;
  • Mais de 1,90 m: Pode procurar bikes com quadros de 21 ou 22 polegadas, sem medo.
Imagem mostra mostra um ciclista uniformizado, numa trilha na floresta, durante uma prova de mountain bike.

Você é importante: seu nível de pedaladas e seu tamanho influenciam diretamente na sua escolha. (Fonte: Pixabay / Pexels)

Material do Quadro

Além do tamanho, o material do quadro é um elemento importante a se notar. Ele interfere no desempenho, na portabilidade e até na durabilidade da sua mountain bike. Quadros de ferro, por exemplo, são pesados e podem enferrujar.

O ideal é você escolher entre quadros de alumínio e de carbono. Ambos são leves, tanto na pedalada e no transporte, e resistentes também, com o carbono sendo um nível acima do alumínio.

Modalidade

As modalidades diversas, que tanto falamos aqui, também podem pesar na sua escolha. O Cross Country, por exemplo, pede uma MTB leve e eficiente, enquanto o Trail pede a mesma leveza, mas com maior suspensão.

O Downhill é o que precisa da suspensão mais reforçada. O Enduro também precisa dessa suspensão, mas com quadro mais leve. O All Mountain e o Free Ride são as mais “genéricas”, precisando de leveza, resistência e suspensão, em níveis minimamente reforçados.

Imagem mostra mostra um close de dois ciclistas, lado a lado, durante uma subida bastante íngreme.

O material do quadro dita muito dos aspectos da sua experiência final com a mountain bike. (Fonte: Free-Photos / Pixabay)

Marchas

Em relação às marchas, é outro critério que vale ter uma informação prévia, como a modalidade que pretende fazer, o nível ou a quantidade de subidas, o terreno, etc.

Simplificadamente falando, circuitos mais longos e com mais e maiores subidas tendem a ser melhor navegados com um maior número de marchas, enquanto circuitos mais velozes e técnicos “pedem” menos marchas.

(Fonte da imagem destacada: Philipp M / Pexels)

Por que você pode confiar em mim?

Lucas Ayres Jornalista
Fanático por esportes e apaixonado por música, vive antenado às novas tecnologias e tendências da moda masculina. Escreve sobre os produtos que orbitam nesses assuntos, e outros que deixam a casa e o dia a dia mais fácil, prático e, além de tudo, saudável.