Imagem mostra seis pilhas recarregáveis encaixadas num carregador de pilhas.
Ultima atualização: 7 de março de 2020

Como escolhemos

Products

15Produtos analisados
Hours

19Horas investidas
Studies

6Estudos avaliados
Comments

67Comentários coletados

Bem-vindo ao ReviewBox Brasil! Vamos falar tudo sobre um dos itens de tecnologia mais básicos, porém um dos mais práticos já feitos: as pilhas recarregáveis. Até porque todo mundo já deve ter ficado na mão por um par de pilhas comuns.

Nessas horas, é difícil escolher o pior, entre a atividade interrompida ou a compra de mais pilhas, de novo. Digo isso para quem não têm pilhas recarregáveis. Elas podem equivaler a compra de mil pilhas normais e até impedir o incômodo descarregar dos aparelhos, se usadas corretamente.

Abaixo, você encontrará um Guia de Compra completo sobre pilha recarregável, contendo a faixa de preço, os melhores modelos, os critérios de escolha e com o que ficar atento nas embalagens. Fique ligado!



Primeiro, o mais importante

  • Antes de escolher modelo, pense no aparelho em que pretende usá-lo e no tipo e frequência do seu uso. Estes fatores vão guiar a opção pelo modelo ideal.
  • Dê preferência às pilhas de compostas de Niquel Metal Hidreto (NiMH), que são compatíveis com a maioria dos carregadores e sem o “efeito memória”.
  • Os preços dos blisters variam entre R$ 30 e R$ 110, dependendo de sua capacidade, limite de recargas e retenção de carga.

Você também pode gostar:

As melhores pilhas recarregáveis: Nossas recomendações

Reunimos abaixo os melhores blisters de pilha recarregável, classificados a partir de sua capacidade, tecnologia e custo benefício. Se você precisa comprar novas pilhas recarregáveis e quer escolher a melhor para sua necessidade, ao fim desse Ranking, continue com a gente no Guia de Compras.

O melhor custo-benefício

O blister da Elgin leva o melhor custo-benefício do mercado. Além do pacote com 4 unidades, as pilhas recarregáveis têm uma capacidade acima da média, de 2700mAh, e podem ser recarregadas até 1000 vezes, tudo por um preço em conta. Recomendadas para aparelhos de alto consumo de energia são também eco-friendly, por não conter mercúrio e cádmio, substâncias poluentes encontrada na maioria dos modelos.

As pilhas recarregáveis super bem avaliadas

O custo é elevado, mas são grandes os retornos. A começar pelo baixo nível de descarga automática, retendo 85% da carga no primeiro ano, uma das maiores porcentagens do mercado. Ela compensa o limite de 500 recargas, número abaixo da média. Depois, a capacidade de 2550 mAh, o pacote econômico de quatro unidades e o fato de ser pré-carregada (com energia solar), algo não muito comum entre os modelos, deixam o produto da Panasonic muito bem colocado.

Pilhas Recarregáveis altamente duráveis

As pilhas recarregáveis palito da Rayovac são as mais indicadas para aparelhos de uso frequente, mas baixo consumo de energia, como controles de televisão e de aparelhos de som. Isso porque apesar de uma capacidade menor, de 600 mAh, podem ser recarregadas até 1500 vezes. Além disso, são prontas para uso e podem reter carga ociosa por até seis meses.

Pilhas com carregador incluso

O modelo da Recyko vale a menção pelo custo benefício do pacote. As pilhas entregam o básico, com a capacidade média de 2.000 mAh e até 1.000 recargas. O pulo do gato, no entanto, está no carregador incluso, sem aumentar o preço. Portátil, é alimentado por cabo USB e conta com a tecnologia de desligamento automático, impedindo a sobrecarga das pilhas.

Guia de Compra

Comprar uma pilha pode parecer algo banal, mas com a pilha recarregável, a história é outra. Afinal, é um produto que você utilizará, por meses, anos até. No Guia de Compras que segue, você terá todas as informações necessárias para escolher o modelo ideal para seu uso e seu aparelho.

Imagem mostra quatro pilhas recarregáveis sendo carregadas por uma mulher, retratada apenas por seu tronco, com suas mãos unidas em formato de cocha.

As pilhas recarregáveis são básicas, mas muito práticas. (Fonte: Freepik)

O que é a pilha recarregável?

Pilhas recarregáveis, também denominadas de secundárias, são, assim como outras variedades de pilhas, dispositivos capazes de transformar energia química em energia elétrica, a partir de reações que agem sob as soluções que as compõem.

Sua diferença e seu grande valor de mercado residem no fato de que podem fazer o processo reverso, isto é, transformar energia elétrica em energia química. Assim, as soluções, quando expostas à uma carga elétrica – o carregador -, estão aptas novamente à gerar eletricidade.

Esse processo reverso não é infinito, é bom dizer. As reações, denominadas de oxirredução, deterioram os compostos químicos com o tempo, perdem seu poder de armazenamento de carga e desequilibram as soluções, inviabilizando a química proposta.

Ainda assim, o limite é grande, maior ainda se comparado a pilhas comuns, ou primárias, que só fazem uma oxirredução e já devem ser descartadas.

Imagem mostra uma fileira com treze pilhas recarregáveis, de embalagens diferentes. Apenas as três pilhas centrais estão nítidas.

As pilhas recarregáveis podem equivaler a milhares de pilhas comuns, pelo seu alto limite de recargas. (Fonte: Sinisha Karich / Canva)

Quais são as vantagens das pilhas recarregáveis?

A maioria dos modelos do mercado possibilita entre 300 a 2000 recargas. Portanto, além de uma vida útil relativamente extensa, ela representa uma enorme economia, ao equivaler à compra de centenas ou até milhares de pilhas comuns.

Por conta disso, possuem um custo elevado, se comparado aos modelos não recarregáveis. Apesar de o custo benefício ser infinitamente maior, ela perde um tanto o caráter emergencial do produto.

Outra questão é a sua tensão, de 1,2 volts, um pouco abaixo da média das pilhas primárias, de 1,5 volts. Apesar de depender do aparelho, via de regra sua carga dura menos tempo.

No entanto, ela é constante, ou seja, fornece a mesma voltagem por toda a duração da carga, ao contrário das comuns, que vão perdendo sua tensão no decorrer do uso.

Imagem mostra um relógio-despertador, com sua tampa traseira, uma pilha comum, uma chave e uma rosca dispostas aos seu redor.

As pilhas recarregáveis tendem a diminuir a ocorrência de aparelhos “descarregados”. (Fonte: Pixabay / Pexels)

Dessa maneira, a pilha recarregável impede aquela situação incômoda do aparelho ir perdendo a força: o controle demorar mais para responder, o volume do rádio abaixar, a luz da lanterna diminuir…

Outro incômodo, mas da pilha secundária mesmo, é o tempo de recarga, alto para os padrões de uma sociedade que se acostumou com a rápida carga de celulares. A média é de oito horas, podendo variar entre cinco e doze horas.

Por fim, há a questão ecológica e do consumo consciente, que a pilha recarregável tira nota dez. Com um par dessas pilhas valendo por centenas ou milhares de outras normais, são evitados quilos de lixo de um produto de descarte bastante específico, que se mal feito é bastante prejudicial ao meio ambiente.

Vantagens
  • Praticidade
  • Economia
  • Tensão constante
  • Ecológica e consciente
Desvantagens
  • Limite de recargas
  • Custo elevado
  • Carga menor
  • Alto tempo de recarga

Pilhas recarregáveis NiCd ou NiMH?

Existem duas variedades de pilha recarregável, que dizem a respeito dos elementos integrantes da solução a ser oxi reduzida. Uma delas, a primeira a surgir, é a que leva um composto de Níquel Cádmio, ou NiCd. A outra solução é formada por Níquel Metal Hidreto, NiMH.

Apesar de a NiCd ser pioneira, é a NiMH que domina o mercado. Isso porque a primeira, além de ter o Cádmio, metal de enorme potencial poluente, tinha um problema em seu funcionamento, apelidado de “efeito memória”, que fazia com as baterias perdessem sua capacidade de recarga total.

A NiMH, por outro, lado, é menos poluente, sem o “efeito memória” e ainda tem maior capacidade. Soma-se a isso o fato de que os modelos NiMH podem ser recarregados em qualquer carregador de pilhas, independente da marca.

Há também uma subvariedade da NiMH, a LSD, do inglês Lower Self Discharge, algo como “menor autodescarga”, que combate o efeito natural de descarga da pilha. Superiores à própria NiMH, são mais raras e, por consequência, mais caras.

Qual a diferença entre uma pilha recarregável AA e AAA?

Assim como as pilhas comuns, as recarregáveis também se encontram na variedade entre as pilhas AA e AAA. A diferença também é a mesma: a AA, maior, contém uma capacidade bastante acima da AAA, também chamada de palito.

Obviamente, elas só funcionam com seus encaixes específicos, mas numa regra geral, as AA (ou 2A) são indicadas para aparelhos de alto consumo de energia, como brinquedos e controles de videogame, enquanto a AAA (3A) para dispositivos de menor consumo, como controles de televisão, pequenas balanças e outros aparelhos de uso intermitente.

Imagem mostra uma pirâmide formada por 21 pilhas, do tipo AA e AAA, sob um fundo desfocado.

As pilhas AA têm maior capacidade do que as “palito”. (Fonte: ccat82 / 123RF)

Quanto custam as pilhas recarregáveis?

A variação de preços entre modelos de pilha recarregável é relativamente baixa, entre R$ 30 e R$ 110, até porque têm o mesmo funcionamento.

São suas especificações que são responsáveis pelas maiores flutuações. Sua capacidade, sua retenção de carga e seu limite de recarga, todos aumentando proporcionalmente com o valor do modelo, são os principais.

Por fim, a composição dos blisters também afeta o valor, podendo ter mais ou menos pilhas e adição ou não de um carregador.

Onde comprar pilhas recarregáveis?

Em lojas físicas, você encontrará maior variedade de modelos nas especializadas em eletrônicos, como Magazine Luiza e Ponto Frio, mas lojas de departamento, com a Americanas, ou até mercados, como o Walmart e Extra, não deixam a desejar.

Para uma maior variedade de preços, sem perder em opções e ainda no conforto de sua casa, lojas online como Amazon.com, Mercado Livre e as versões digitais das lojas citadas acima servem muito bem ao propósito.

foco

Você sabia? A unidade de capacidade, o miliampère (mAh), foi nomeada em homenagem à André-Marie Ampère (1775-1836), físico francês que desenvolveu o primeiro eletroimã.

Critérios de Compra: Fatores para comparar os modelos de pilhas recarregáveis

Abaixo, a ReviewBox Brasil lista para você os critérios que vão te ajudar a escolher a pilha recarregável ideal. São itens básicos, mas que valem sua atenção:

  • Destino da pilha
  • Capacidade e tempo de recarga
  • Limite de recargas e retenção de carga
  • Pronto para uso ou pré-carregadas

Veja em detalhes cada um dos tópicos mencionados para fazer a melhor escolha.

Destino da pilha

O que vai ditar o modelo de pilha recarregável ideal é seu destino, isto é, o aparelho em que ela será usada. De primeira, tira-se o tipo da pilha, entre AA ou AAA, já que funcionam em encaixes específicos.

Depois, sua demanda de energia e a frequência em que é o aparelho é usado apontam para o resto do caminho, as especificações da pilha.

Aparelhos de alta demanda energética, como controles de videogame, pedem baterias de maior capacidade, enquanto utensílios de cozinha necessitam de menos energia e, portanto menor capacidade da pilha.

Da mesma maneira, usos dinâmicos como máquinas fotográficas, especialmente as usadas profissionalmente “pedem” um equilíbrio entre a capacidade e o tempo de recarga. Dispositivos de uso intermitente, por outro lado, priorizam pilhas com maior retenção de carga.

Capacidade e tempo de recarga

A capacidade da pilha recarregável é o aspecto seguinte a se olhar. É quem define o tamanho, isto é, o tempo que dura uma carga. Sim, a demanda do aparelho é importante, mas quanto maior a capacidade, maior sua carga.

Em pilhas AAA, a variação vai entre 600 a 1.500 mAh (miliampères) e nas AA, de 600 mAh à 3.000 mAh. Assim, quanto maior for a demanda energética de seu aparelho e quanto mais você quiser usá-lo sem necessidade de recarga, maior deve ser a amperagem do modelo escolhido.

Mas fique esperto: maior carga significa também maior tempo de recarga, que pode chegar até 12 ou 14 horas. Se você não puder dispor dessas horas de recarga, recomenda-se a compra de pelo menos mais um par de pilhas, ou blister com quatro ou mais unidades.

Limite de recargas e retenção de carga

Depois de pensar no seu uso e no tamanho da sua carga, o próximo item é a vida útil da pilha. Uma pilha recarregável perde sua validade quando atinge o número máximo de recargas e a seu percentual de retenção vai aumentar ou diminuir a quantidade de recargas num espaço de tempo.

Considere então o seu limite de cargas e a sua porcentagem de retenção de carga. A maioria dos modelos do mercado podem fazer entre 300 e 1.500 recargas, 2.000 quando muito. Quanto à retenção, os modelos normais ficam na faixa de 60% a 70%, e os mais avançados, até 85%. Não há 100% de retenção.

Prontas para uso ou pré-carregadas

Por fim, vale ficar atento na embalagem se há a indicação de que as pilhas são “prontas para uso” ou “pré-carregadas”.

Este fato não altera a composição, a vida útil ou a eficiência da pilha, ou sequer queira dizer que as pilhas não carregadas sejam inferiores. Mas é uma mão na roda para quem precisa da carga de imediato. No mais, podem mostrar a confiança da marca na retenção de carga de seu produto.

(Fonte da imagem destacada: analogicus / Pixabay)

Por que você pode confiar em mim?

Lucas Ayres Jornalista
Fanático por esportes e apaixonado por música, vive antenado às novas tecnologias e tendências da moda masculina. Escreve sobre os produtos que orbitam nesses assuntos, e outros que deixam a casa e o dia a dia mais fácil, prático e, além de tudo, saudável.