Imagem mostra uma mulher caminhando em direção ao mar com uma prancha de bodyboard debaixo de um braço e segurando um par de pés de pato com a mão esquerda.
Ultima atualização: 13 de outubro de 2019

Como escolhemos

13Produtos analisados

16Horas investidas

3Estudos avaliados

67Comentários coletados

Olá, seja muito bem-vindo ao ReviewBox Brasil! No texto de hoje, falaremos tudo sobre a prancha de bodyboard, o equipamento obrigatório de um dos mais populares esportes marítimos, uma presença certa em qualquer praia brasileira.

Com uma prancha de bodyboard, você tem em mãos uma atividade completa, que pode entreter toda uma família e que pode ser aquela motivação que você queria para praticar um esporte. Neste Guia, vamos ajudar a encontrar o modelo ideal, que melhor combine com o seu nível de prática e com onde e como você quer usá-lo.




Primeiro, o mais importante

  • O tamanho da sua prancha de bodyboard tem que ser adequado à sua altura, e deve ser medido com a prancha que, na vertical, atinja o seu umbigo.
  • Há modelos de prancha de bodyboard ideais para cada nível de uso, entre iniciante, semi-profissional (intermediário) e profissional.
  • Os dois materiais mais comuns na composição das pranchas de bodyboard são o polipropileno e polietileno, sendo o segundo o mais utilizado.

Você também pode gostar:

As melhores pranchas de bodyboard: A ideal para cada situação

Montamos uma lista com as melhores pranchas de bodyboard do mercado, pensadas a partir das principais situações de uso. Avaliamos também a qualidade dos materiais, o desempenho e o custo-benefício de cada uma.

A melhor prancha de bodyboard para crianças

Com a qualidade Mormaii, esta prancha é ideal para as primeiras remadas, com um material leve, com menos de um quilo, e seguro, que minimiza os impactos e que passou por um severo controle de qualidade. O conjunto já vem o com o leash e conta com vincos no deck para dar maior tração ao corpo do pequeno durante o deslize da prancha.

A melhor prancha de bodyboard para quem viaja

A Bel Fix Wave é para você que gosta de levar uma prancha nas suas idas à praia, para pegar aquela onda ou deixar a família se divertir no mar. Tem uma boa relação desempenho x segurança, com leash incluso, deck em espuma adesiva de poliuretano e corpo em poliestireno expandido.

A melhor prancha de bodyboard para profissionais

O BPS Storm Board é um modelo completo, adaptado à todas as condições climáticas e com os acessórios necessários para um bodyboarding eficiente, a guia e as barbatanas (fins). O bloco é feito em Poliestireno expandido, que confere maior leveza, resistência e flutuabilidade à prancha, uma cauda versátil para vários tipos de corpo, além de tecnologia na parte inferior que canaliza a força da água para dar maior velocidade. Esse produto é vendido pela Amazon americana, mas pode ser enviado para o Brasil.

Guia de Compra

A prancha de bodyboard é um dos mais versáteis equipamentos aquáticos do mercado. Serve para adultos e para crianças, das grandes ondas à espuma da marola, do jacaré despretensioso às mais complexas manobras.

Ainda assim, há um modelo ideal para cada tipo de uso. No Guia de Compras abaixo, vamos ajudar você a encontrar o modelo certo para o seu, mesmo que seja um pouco de cada um.

Imagem mostra um rapaz um pouco distante da câmera, deitado em sua prancha de bodyboard, em meio à uma onda.

Das grandes ondas a espuma da marola: é grande a versatilidade da prancha de bodyboard. (Fonte: Camila Castillo / Unsplash)

Prancha de bodyboard para iniciantes, semi-profissional ou profissional?

Não há uma divisão específica entre pranchas de bodyboard, no sentido de que não existem tipos diferentes desse equipamento, e, no fim, a prancha de bodyboard é em si um nicho do grande segmento das pranchas.

De qualquer maneira, o que diferencia os vários modelos de prancha de bodyboard no mercado são os diferentes conjuntos de materiais, acessórios e designs. Eles, por sua vez, atendem aos tipos de ações que o surfista faz em cima da prancha.

Essas ações, por fim, definem o nível de prática do bodyboarder, que pode ser iniciante, semi-profissional (ou intermediário) e profissional.

Imagem mostra um bodyboarder deslizando por uma onda média.

Os seus movimentos na água definem o tipo de prancha de bodyboard que você precisa, entre iniciante, semi-profissional e profissional. (Fonte: alfcermed / Pixabay)

Para um iniciante, que foca somente em manter-se em cima do board e fazer os movimentos básicos em ondas menores, a prancha precisa ser estável e leve. O ideal é um modelo com tail (rabeta) largo e que já venha com um leash (guia) resistente e fácil de usar.

As pranchas semi-profissionais são para aqueles que já encaram ondas de maior dificuldade e até arriscam suas primeiras manobras. Se o foco for as ondas, ainda vale um tail largo, para manobras, já valem modelos de tail estreito. O ideal é um corpo de material de média ou alta densidade, mas com um bom custo-benefício.

As profissionais, no fim, precisam ser versáteis, flexíveis e resistentes. Materiais de alta densidade, que conferem maior resistência, tails estreitos e designs mais ergonômicos, especialmente no nose (ponta), tendem a ter um melhor desempenho.

Iniciante Semi-profissional Profissional
Característica Estável e leve Estável e flexível Flexível e resistente
Tail Largo Largo ou estreito Estreito
Densidade Baixa Média - Alta Alta

Quais as melhores marcas de prancha de bodyboard?

Além de ter as características certas, é importante que você escolha uma prancha de bodyboard de uma marca de qualidade e tradição no segmento.

Entre as nacionais, destacam-se a gigante Mormaii, que produz também acessórios e itens de moda surfwear, e a tradicionalíssima Genesis, uma das mais antigas do mercado. A GT Boards é outra marca brazuca com bastante experiência na área.

No grupo das marcas gringas, destacamos: a BZ Boards; a Science Bodyboards, criada por Mike Stewart, um dos maiores bodyboarders de todos os tempos; a californiana Custom X; a Morey Boogie, a mais antiga marca do segmento; e a No. 6, uma das mais recentes e inovadoras.

Prancha de bodyboard ou prancha de surf?

Na cabeça de todo surfista de primeira viagem, isto é, aquele que quer de qualquer jeito pegar uma onda, mas não sabe direito como, mora a eterna dúvida entre adquirir uma prancha de bodyboard ou uma prancha de surf.

Longe de querer comparar os esportes, cada um com sua rica história e com sua contribuição à cena dos esportes marítimos e radicais, há uma série de questões objetivas que podem ajudar a resolver essa dúvida, pelo menos na hora da compra.

Imagem mostra dois rapazes caminhando pela praia, cada um carregando uma prancha de bodyboard debaixo do braço.

Ambos atuam nas ondas, e, para além do óbvio, são diversas as questões práticas que acabam diferenciando o bodyboard do surf. (Fonte: Mael BALLAND / Unsplash)

A questão é que, como atividade, o bodyboard é muito mais prático, o que faz da prancha de bodyboard uma compra muito mais versátil. Menor tamanho, mais leve e sem muita necessidade de manutenção, a prancha de bodyboard é facilmente transportada e pode ser usada por qualquer um, nem que seja para ficar boiando pelo mar afora.

O surf, por outro lado, tem uma cultura muito mais forte nas praias. Você não terá dificuldade para encontrar auxílio para começar - seja em conteúdo# na internet, seja na ajuda de um surfista amigo -, nem para continuar, com grupos de surfistas espalhados por aí e diversos picos de surf consagrados pelo litoral brasileiro inteiro.

Bodyboard Surf
Praticidade Alta Baixa
Cultura Emergente Estabelecida
Uso Versátil Esportivo

Quanto custa e onde comprar uma prancha de bodyboard?

Por ter um grande número de combinações de acessórios, materiais e designs, a prancha de bodyboard tem uma variação de preço relativamente grande. Há pranchas de qualidade a partir de R$ 40, e modelos que podem chegar a R$ 500.

Se você quer experimentar a sua prancha, sentir seu material, lojas físicas especializadas como a Star Point e a Surfer’s Paradise, além de grandes redes de equipamentos esportivos, como a Decathlon.

Para, no entanto, uma pesquisa mais aprofundada, lojas online como a Amazon e o Mercado Livre têm uma maior oferta de modelos e preços, e possibilitam a compra no conforto da sua casa.

foco

Você sabia? A primeira prancha de bodyboard foi confeccionada em 1971, por Tom Morey, no Havaí. O bodyboard chega ao Brasil em 1978, no Rio de Janeiro, mas tem sua primeira competição só em 1988, quando é criada a Associação Brasileira de Bodyboarding (ABRASB).

Critérios de Compra: Escolhendo a sua prancha de bodyboard

A seguir, apresentamos nossa lista exclusiva de critérios de escolha. Seus itens são características marcantes da prancha de bodyboard, que merecem uma atenção especial na hora da compra.

  • Tamanho
  • Tail
  • Material do bloco
  • Leash

Vamos, então, falar de cada um destes itens, para que você saiba exatamente o que você está comprando, e faça assim a melhor escolha.

Tamanho

O tamanho da prancha é essencial para o seu melhor desempenho nela, e principalmente seu conforto. Há um tamanho de prancha mais adequado para cada altura, e deve ser calculado com a prancha na vertical. O modelo ideal é aquele que, com o a parte traseira no chão, tenha a parte frontal na linha do seu umbigo.

O mesmo vale para a altura joelhos e queixo, com este último “fazendo o papel” do umbigo. Não se preocupe com o tamanho exato, há uma margem de erro de uns dois centímetros. Se você for comprar pela internet, vale olhar na tabela de referência a seguir.

Altura (m) Tamanho da prancha (polegadas)
1,20 - 1,45 30
1,45 - 1,65 34
1,65 - 1,85 38
1,85 - 42 - 45

Tail

A cauda da prancha define o nível de estabilidade e velocidade.

O tail, ou rabeta, a cauda da prancha, enfim, é quem vai definir o nível de estabilidade e velocidade, que são inversamente proporcionais. Os mais largos são mais estáveis, e, portanto, mais lentos, ideais para iniciantes ou para uma “navegação” mais tranquila.

Os tails mais estreitos, por outro lado, são mais velozes, perfeitos para quem buscas fazer manobras, o que naturalmente deixa a prancha mais instável, melhor navegada por bodyboarders experientes.

Material do bloco

O material do bloco, que é o grosso da prancha de bodyboard - o esqueleto, por assim dizer -, influencia diretamente no desempenho do modelo. Não há um único material ideal, mas um grupo de componentes de qualidade.

Os mais comuns e igualmente eficientes são o Polietileno (PE), que pode ter baixa ou alta densidade, o Polipropileno (PP), o Poliestireno (PS) e o Poliuretano (PU).

Leash

Este último ponto é mais simples. A guia, ou leash, é essencial para a segurança do bodyboarder, e também para não perder a prancha no caso, ou melhor, quando rolar aquele caldo.

Mesmo assim, há modelos que não vêm com o leash embutido. Vale, portanto, dar preferência àqueles que tenham a guia no pacote.

(Fonte da imagem destacada: OMNA / Pixabay)

Por que você pode confiar em mim?

Lucas Ayres Jornalista
Fanático por esportes e apaixonado por música, vive antenado às novas tecnologias e tendências da moda masculina. Escreve sobre os produtos que orbitam nesses assuntos, e outros que deixam a casa e o dia a dia mais fácil, prático e, além de tudo, saudável.