Uma régua T, uma régua comum de plástico, um lápis e uma folha. Tudo está em cima de uma superfície de madeira.
Ultima atualização: 20 de março de 2020

Como escolhemos

13Produtos analisados

15Horas investidas

2Estudos avaliados

42Comentários coletados

Boas-vindas ao ReviewBox Brasil. Hoje o artigo vai ensinar tudo aquilo necessário para você realizar a melhor escolha de uma Régua T. Seja ao uso profissional, escolar ou caseiro, leia o conteúdo completo antes de comprar.

A régua T é uma das melhores amigas dos arquitetos e engenheiros. Graças a este produto as linhas horizontais não têm limites nos projetos. Embora a ferramenta seja uma antiga aliada do desenho industrial, hoje existem algumas diferenças entre as versões.

Acompanhe a leitura para descobrir aspectos como: os melhores produtos, formas para diferenciar as ofertas, qual preço pagar, onde comprar e algumas técnicas para selecionar réguas T com menos custos, tendo mais benefícios.




Primeiro, o mais importante

  • Régua T pode ter cabeçote fixo ou regulável, vamos explicar as diferenças.
  • As principais réguas T são compostas por madeira e (ou) acrílico.
  • Em média a régua T tem de 50 centímetros a até 80 centímetros.

Você também pode gostar:

Ranking: As 4 melhores réguas T

Para ficar com a mente um pouco mais atualizada sobre os melhores atributos técnicos que uma régua T deve ter acompanhe as definições técnicas de 4 produções populares entre profissionais:

1° - Régua T madeira

A produção da marca Trident está entre as mais vendidas em virtude da resistência presente em cada parte do produto. Esta edição possui madeira de lei tratada e envernizada, o que possibilita a garantia de uma durabilidade superior.

Esta versão de 60 centímetros apresenta um robusto cabeçote resistente a empenamentos e torção. É uma escolha leve, facilitando a locomoção para diferentes locais.

2° - Régua T acrílico

O produto está composto por bordas de acrílico na cor preta para combinar com as mais diferentes mesas de trabalho. A edição é bastante resistente contra quedas ou atritos.

Diversos estudantes optam por esta escolha pela leveza e facilidade para guardar ou locomover porque é possível mover a posição do cabeçote. Uma régua T profissional de 60 centímetros.

3° - Régua T fixa

É a régua T com cabeçote fixo composto de acrílico. Detalhe para a bela cor marrom na composição do corpo fabricado à base de fenolite – uma espécie de laminado plástico industrial que se usa na forma de isolante elétrico.

Esta produção é testada levando em conta rigorosos padrões de qualidade e segurança. Tal produto possui garantia de 90 dias.

4° - Régua T móvel

Também com fenolite na composição principal, este modelo apresenta o cabeçote móvel que facilita a inserção em malas ou mochilas. Com apenas alguns movimentos, é possível abrir a chave para realizar a regulagem.

As bordas de acrílico seguem os principais modelos de produções que fazem sucesso nos Estados Unidos e em alguns países europeus.

Guia de Compra

Para não se preocupar em amarrar pranchetas aumenta a tendência do uso de régua T também entre arquitetos e engenheiros em início de carreira.

A seguir acompanhe um conteúdo que te orienta na busca pela versão perfeita de réguas T conforme suas necessidades de uso.

Imagem de régua T sobre desenhho.

Régua T de qualidade é leve, resistente e pode ser usada em qualquer mesa. (Fonte: andreas160578 / Pixabay)

O que é régua T e para que serve?

Conhecida como uma das ferramentas mais antigas no mundo da arquitetura, a régua T se trata de um dos instrumentos utilizados com objetivo de desenvolver desenhos técnicos.

Esta régua é utilizada junto com o esquadro. Porém, algumas vezes ela deve ser usada sozinha no sentido de realizar traços de linhas paralelas.

O produto tem uma forma em T, com o lado menor composto pelo cabeçote que pode ou não ter os mesmos materiais da régua em si. Os modelos possuem 80 centímetros no máximo, compostos por madeira ou plástico.

Uma régua T de madeira sobre superfície de madeira com outras ferramentas ao redor.

As réguas T funcionam para as pessoas canhotas ou destras. (Fonte: Worradirek Muksab / 123RF)

Como usar régua T?

No caso das estruturas fixas você deve apoiar o cabeçote ao lado da mesa com ou sem projetor. Em versões flexíveis é preciso primeiro desparafusar o cabeçote para depois colocá-lo à posição correta (na lateral de uma mesa).

O cabeçote da régua T precisa ficar muito bem fixo na mesa para você aproveitar o melhor que a ferramenta pode oferecer.

Veja como usar o modelo junto com esquadros e lapiseira em uma videoaula prática do canal Rabel Arquitetura e Cursos:

Quais as vantagens da régua T?

Muitas pessoas procuram a régua T em consequência da praticidade do produto em ser utilizado nos diferentes tipos de mesa, o que justifica a fama da produção entre estudantes que precisam realizar desenhos industriais.

Quando possui um cabeçote móvel a ferramenta é mais fácil de guardar. Contudo, se a estrutura é fixa fica mais difícil realizar a locomoção, a não ser que você tenha um estojo adequado ao formato T.

As diferenças de materiais e preços fazem o produto estar disponível para profissionais com muito ou pouco dinheiro reservado ao investimento no material.

As melhores produções são quase inquebráveis, ao passo do que modelos de plástico não certificado podem quebrar com facilidade durante o uso ou por causa de impactos.

Os detalhes dos prós e contras você acompanha na tabela abaixo:

Vantagens
  • Funciona em diferentes tipos de mesas
  • Possui cabeçote regulável ou fixo
  • Leve, prática e fácil de usar
  • De diferentes materiais
  • Para traçar linhas paralelas e horizontais
  • Resistência a quedas e impactos
Desvantagens
  • Difícil de guardar
  • Complicado para locomover
  • Algumas produções são frágeis

Régua T ou régua paralela: Qual é melhor?

Estas duas réguas são muito usadas no desenho industrial. Contudo, uma versão apresenta mais vantagens para certas pessoas, ao passo de que a outra parece beneficiar outro tipo de público. Conheça diferenças entre ambos os modelos.

Régua T: Entre as mais populares ferramentas da arquitetura está a régua T. Com ela você não precisa amarrar nada na prancheta, a estrutura funciona em diferentes tamanhos ou tipos de mesas.

A produção possui apenas um ponto de apoio. Por este motivo é preciso usar a régua T da maneira adequada, com as duas mãos, evitando angulações.

Régua paralela: Já no caso da régua paralela ambas as extremidades possuem apoio na prancheta, o que facilita para o trabalho paralelo ao desenho, sem a necessidade de usar as duas mãos.

Como desvantagem esta régua não pode ser utilizada em mesas comuns por causa das curtas cordas laterais para amarrar.

Fique de olho nas diferenças das réguas ao acompanhar o quadro a seguir:

Régua T Régua Paralela
Preço Mais barato Mais caro
Uso de prancheta Não Sim
Funciona em diferentes tipos de mesa Sim Não
Necessidade de amarrar Não Sim
Chances de angulações Menos Mais
Necessidade de uso com as duas mãos Sim Não

Quanto custa?

O preço de uma régua T de qualidade utilizada por profissionais pode ser de R$ 50 a até R$ 120 na média. Os modelos de madeira reguláveis têm preços elevados. Já as produções madeiradas e fixas custam um preço médio.

Itens de acrílico resistentes são mais caros do que as versões que apresentam um plástico comum que resiste menos aos atritos. Ao comprar na internet qualquer edição você chegará a economizar 20% no preço final.

Onde comprar?

É mais fácil encontrar as versões de plástico do que bons modelos de madeira no varejo popular. Você encontra promoções em locais como Lojas Americanas, Kalunga ou Magazine Luiza.

Nas compras online você não precisa se preocupar com transporte. Os vendedores entregam tudo na porta da sua casa ou do seu escritório. Amazon Brasil é o site mais confiável, repleto de variações de diversos tipos. Você também pode achar nas versões digitais das lojas mencionadas.

Uma régua T de madeira com fundo branco.

A régua T pode ser encontrada facilmente na internet. (Fonte: Phana Sitti / 123RF)

Critérios de compra: Fatores para comparar os modelos de régua T

Não se esqueça de que para caprichar nos traços do projeto é preciso saber como diferenciar os melhores dos piores modelos, para assim optar pela melhor régua T. Os 5 melhores critérios comparadores de versões de régua T são:

  • Estojo
  • Madeira
  • Material
  • Parafuso
  • Transferidor

Acompanhe o significado de cada ponto listado ao continuar a leitura.

Estojo

Na corrida do dia a dia é comum você bater a régua em um canto ou outro, principalmente quando ela está na mochila. Embora estes produtos sejam resistentes, quando ocorrem fortes atritos a produção pode quebrar, colocando em xeque o seu investimento.

Por este motivo muitas pessoas optam por comprar ofertas de réguas que também possuem o famoso estojo de proteção, que não é pesado, mas serve para proteger com mais efetividade.

Imagem de ferramentas.

Saiba como cuidar dos seus materiais. (Fonte: mihalec / 123RF)

Madeira

As produções mais resistentes a quedas e atritos são compostas de madeira. De preferência, compre edições que têm na composição madeiras de lei, principalmente: Ipê, Cumaru ou Carvalho, modelos que possuem elevados níveis de dureza Janka - unidade de medida que serve para demonstrar o quanto uma madeira pode ser dura.

Se você preza por durabilidade opte também pelas réguas T que possuem tratamento para evitar empenamentos ou ataques de cupins. Modelos envernizados custam preços superiores, embora sejam mais resistentes e duráveis.

Material

O ambiente em que você trabalha determina a escolha do material. Por exemplo, quem traça os projetos ao ar livre, no canteiro de obra, pode optar pelas versões de plástico. Elas não ficam com fungos e resistem a água da chuva ou outras intempéries.

Para desenhar em ambientes fechados você deve investir nas réguas de madeiras, já que não haverá contato com elementos naturais como: terra, água, sol, entre outros.

Se você acha que uma régua T com 100% de madeira de lei em toda a composição é algo muito custoso ou pesado, dá para investir nas estruturas misturadas. Existem versões de corpo de madeira e cabeçote de plástico, ou, vice-versa.

Parafuso

Você quer comprar uma régua T com cabeçote móvel para facilitar a locomoção do produto de seu escritório até a sala de aula, correto? Sem problemas, desde que compre versões que têm qualidade no parafuso.

Para rosquear ou desrosquear é necessário mover uma espécie de parafuso presente no centro do cabeçote na ferramenta. Caso seja difícil movê-lo de um lado para o outro será preciso forçar, o que acaba quebrando a régua T.

Portanto, antes de comprar sua régua T com cabeçote móvel é mais indicado procurar saber se a loja ou os vendedores oferecem garantia. Ela deve garantir a troca ou o reembolso em caso de problemas relacionados à abertura via parafuso.

Transferidor

Cedo ou tarde você precisa usar um transferidor para acrescentar algo no projeto.

Existem edições de régua T que oferecem este acessório como adicional, facilitando a vida do arquiteto, tornando o trabalho prático com menos réguas extras na mesa.

(Fonte da imagem destacada: Phana Sitti / 123RF)

Por que você pode confiar em mim?

César Ferreira Formado em Engenharia Industrial
César é apaixonado por carros. Talvez tenha sido essa paixão que o levou a, desde pequeno, querer entender como as coisas funcionam. Essa curiosidade, por sua vez, lhe fez cursar Engenharia Industrial. Hoje, ele presta consultoria para pequenas e médias empresas e, nas horas vagas, deixa seu carro - e o de seus amigos - cada vez mais tecnológicos e especiais.