Imagem em close de um violino sendo tocado, aparecendo apenas o arco tocando nas cordas e a mão do violonista, montando o acorde.
Ultima atualização: 11 de junho de 2019

Como escolhemos

12Produtos analisados

20Horas investidas

7Estudos avaliados

65Comentários coletados

Olá, seja muito bem-vindo ao Review Box Brasil. As melhores análises de produto você encontra aqui! E a experiência de hoje vai te levar a conhecer tudo sobre o violino.

Instrumento pequeno, mas com grande potencial sonoro, ele sempre foi muito utilizado na música clássica. Hoje, vários gêneros musicais o aproveitam para enriquecer suas melodias, trazendo o instrumento para o meio da cultura pop.

O jeito suave do deslizar do arco, os movimentos precisos do músico, tudo se soma à beleza do instrumento. Se você quer saber mais sobre eles, e até mesmo comprar um, veio ao lugar certo. Modelos, tipos, usos, você se surpreenderá com o violino!




Primeiro, o mais importante

  • Existem diversos instrumentos de corda disponíveis, mas o violino tem características bem próprias. A principal delas é o seu uso apoiado no queixo do músico.
  • É um dos mais agudos instrumentos musicais. O timbre alto se destaca em qualquer ocasião de uso, o que exige certos cuidados. Errar o movimento do arco vai criar guinchos bem desagradáveis.
  • Apesar de existirem marcas bem antigas e famosas no mercado (de séculos), muitos fabricantes novos vêm trazendo violinos a um preço mais acessível, com sonoridade agradável mesmo aos mais exigentes.

Você também pode gostar:

Ranking: Os 4 melhores violinos

Pesquisar sobre instrumentos musicais nunca é fácil. Você encontrará uma quantidade absurda de violinos em qualquer busca, e precisará de muito cuidado para escolher algo de qualidade. Nós vamos facilitar este trabalho.

1º – DZ Strad 220 (US)

No products found.

Uma excelente opção para o usuário intermediário e avançado no uso do instrumento, um violino totalmente feito à mão. Seus tons aveludados, com jogabilidade e consistência vão emocionar qualquer plateia durante suas execuções.

Disponível em vários tamanhos, você pode ter o ideal para si. Suas madeiras principais passam por um processo de tratamento e secagem durante 10 anos, garantindo a melhor sonoridade e performances possíveis.

A formulação do próprio verniz é feita para garantir o melhor som envelhecido para a madeira. É um violino para se comprar e nunca mais largar.

2º – Violino Michael Vnm49

Instrumento fabricado especialmente para músicos orquestrais, com alto padrão de construção e sonoridade expressiva. Os agudos bem executados trazem clareza e alta definição para o som, assim como os graves bem robustos e aveludados, perfeitos para qualquer gênero musical.

Além da tecnologia empregada, seu visual busca remeter ao clássico, com verniz artesanal envelhecido, além do uso de madeiras nobres que fornece uma ótima projeção.

3º – Violino Michael Vnm40

Violino com ótima relação entre custo e benefício, oferecendo um excelente padrão sonoro graças a combinação de madeiras maple e spruce. Esta combinação garante uma sustentação maior do som gerado, além de produzir agudos expressivos e graves aveludados.

O espaçamento entre as cordas também permite grande precisão no uso dos acordes. É um dos violinos indicados para iniciantes que desejam se aprofundar no estudo, mas que precisam também de um instrumento para uso profissional.

4º – Violino Marinos MV-44

Ideal para iniciantes, é um instrumento que permitirá obter sons de qualidade a um preço mais acessível. Fabricado com bons materiais, é capaz de fornecer bons agudos e graves, com sustentação do som, além de uma excelente ergonomia para o músico.

Guia de Compra

Comprar sem conhecer bem o produto é uma tarefa difícil. E um instrumento musical precisa ser muito bem escolhido, pois deve trazer alegria e conforto. Nós vamos te passar agora aquilo que consideramos essencial sobre os violinos.

Foto de uma garota tocando violino, prestando atenção nos movimentos do arco; ao fundo, uma paisagem natural, indicando a prática ao ar livre.

Escolher o violino não é só sobre preço, o tamanho ideal vai trazer conforto na hora de tocar e uma sensação ainda maior de bem-estar. (Fonte: davorkrajinovic / Pixabay)

O que é o violino?

É difícil alguém não ter ouvido pelo menos uma vez o som de um violino. A melodia geralmente suave, acompanhada de uma sonoridade capaz de amolecer corações.

Seu timbre tão inconfundível é fundamental na maioria das orquestras e coretos, ditando momentos e participando de solos. Não por acaso, alguns músicos o chamam de “Rei dos instrumentos”.

Mas o clássico para por aí. Apesar de muito conhecido como um instrumento erudito, sua versatilidade é muito maior. Você pode tocar qualquer tipo de música em um violino. O estudo e sua dedicação é que vão definir o que você vai aprender.

O instrumento é tão sem limites, que alguns músicos o utilizam como principal instrumento em suas performances. Criando inclusive novas músicas!

Como o som é produzido por um violino?

Sendo um instrumento de cordas, é necessário a existência delas e que sejam, de alguma forma, estimuladas a vibrar. Depois, uma caixa acústica capta a vibração e transforma em som.

No caso deste instrumento, o método mais comum de tocar é com a utilização de um equipamento chamado arco. Uma peça simples em metal ou madeira, que mantém tencionados fios finos e bem juntos. São eles quem estimulam as cordas a produzir som.

É por isso que, diferente de outros instrumentos tocados com as mãos, no violino o som parece continuado. Não há batidas com interrupção contínua, o arco vai criando melodia conforme dança sobre as cordas, para frente e para trás.

Imagem de um violino em fundo preto.

Um violino tem diversas características bem marcantes, e é bem diferente de outros equipamentos mais comuns de corda que conhecemos, como o violão. (Fonte: Pexels / Pixabay)

Como é formado um violino?

Nos aprofundando no assunto, vamos te apresentar agora as partes de um violino. Será bem comum você ouvir falar sobre elas, agora que pretende se tornar um violinista. Imagine um violino de pé, e o entenda agora “dos pés à cabeça”.

  • Queixeira: É onde você irá posicionar o queixo enquanto estiver tocando. Existem almofadas próprias para o instrumento, se houver necessidade de maior pressão ou para reduzir algum desconforto.
  • Estandarte: É a peça de madeira onde as cordas são presas, para serem esticadas lá em cima.
  • Cavalete: É uma parte bem delicada e essencial do instrumento. Fica mais ou menos no meio do corpo do violino, as cordas passam por cima dele, que tem ranhuras para mantê-las no lugar. Servem para transferir a vibração para dentro do violino.
  • Elfes (ou aberturas): São os “buracos” no instrumento, de onde a partir da vibração da madeira, o som é reproduzido.
  • Espelho: Em outros instrumentos, é o mesmo que o “braço”. É onde você vai posicionar os dedos para digitar as notas. Interessante é que não existem “casas” para colocação dos dedos, esta peça é toda lisa.
  • Cravelha: É o local onde as cordas são amarradas para aperto ou afrouxe, em outros instrumentos são chamadas de tarraxas. Em um violino serve para “afinação grossa”.
  • Micro afinadores: São pequenos parafusos que ficam no estandarte, é ali que você fará a “afinação fina”, dando uma maior precisão à afinação já realizada.
Imagem de uma garota tocando violino em um parque com árvores de folhas amareladas.

O violino tem muitas peculiaridades que o torna diferente dos outros instrumentos de corda. (Fonte: Bairyna / Pixabay)

Quais as vantagens e desvantagens de tocar violino?

Tocar qualquer instrumento só traz ótimo benefícios para o músico. Logo, o violino também é altamente positivo. Entre suas maiores vantagens, podemos destacar que melhora a coordenação motora e aumenta a percepção auditiva.

Além disso, o músico consegue desenvolve a expressividade do corpo e também melhora suas habilidades lógicas. E claro, por ser um instrumento de alta complexidade, ensina sobre disciplina e paciência.

Confira abaixo as vantagens e desvantagens de tocar violino:

Vantagens
  • Melhora a coordenação motora
  • Aumenta a percepção auditiva
  • Desenvolve a expressividade do corpo
  • Melhora habilidades lógicas
  • Ensina disciplina e paciência
Desvantagens
  • Baixa disponibilidade de locais para aprendizado
  • Instrumento de alta complexidade
  • Exige manutenção constante

Quais as variações de tamanho do violino?

Você já deve ter percebido ao longo de alguma pesquisa que realizou, a presença de alguns “números matemáticos” ao lado do modelo de violino. Estes números, na verdade, indicam o tamanho do instrumento.

O sistema de tamanhos já existe há bastante tempo, e tem uma variação a partir de número como se estivessem sendo divididos.

Quando falamos em violinos para adultos, costumamos ver os números 4/4 ou 3/4 ao lado do instrumento. Trata-se de uma expressão dos fabricantes para determinar o comprimento total do violino.

Ao todo, existem sete tamanhos possíveis deste instrumento, que possibilitam o uso para crianças a partir dos 3 anos!

Mas não apenas a idade, os tamanhos têm relação também com o comprimento do braço do músico. Afinal, para tocar se precisa de uma amplitude de movimentos, e que vai ditar isso são os braços, e não a idade.

A seguir vamos apresentar quais são “os códigos” existentes e o que significam em tamanho:

Tamanho do violino 1/16 1/10 1/8 1/4 1/2 3/4 4/4
Idade sugerida Até 3 anos Até 5 anos Até 6 anos Até 7 anos Até 8 anos Até 11 anos A partir 11 anos
Comprimento do braço Entre 35 e 38 cm Entre 39 e 42 cm Entre 30 e 45 cm Entre 45 e 52 cm Entre 53 e 55 cm Entre 56 e 58 cm A partir dos 58 cm

Esta medição do braço é feita de onde começa o ombro até o meio da palma da mão. Você notou as variações de tamanho? Algumas são bem pequenas, mas esta é a recomendação dos fabricantes e especialistas.

Quais as diferentes categorias do violino?

Fabricado de maneira artesanal durante séculos (alguns até hoje), o violino foi criando padrões de qualidade. A aplicação de diferentes madeiras, uso de vernizes específicos, formas de secagem, tudo foi contribuindo para a especialização do instrumento.

Não à toa, um instrumento considerado por alguns como “O Rei”, precisa de uma determinada majestade, criada a partir da evolução em sua forma de ser produzido com cada vez mais cuidados e detalhes.

Foto em close de uma orquestra, mostrando uma linha de violinos onde todos possuem o instrumento e o estão tocando.

Devido à sua fama e características sonoras, violinos somam o maior número de instrumentos em orquestras. É o rei se fazendo presente em melodia e timbre. (Fonte: Pexels / Pixabay)

Para você ter uma noção, existem violinos hoje sendo fabricados com madeiras cortadas e destinadas para isso há mais de 10 anos! Durante este tempo, elas foram passando por processos para garantir a melhor sonoridade possível ao instrumento, quando fosse fabricado. Então, vamos às categorias.

Categoria C

Violinos fabricados com as madeiras corretas, porém, não mais as “recomendadas” para o violino, que deve ser com madeiras bem rajadas. É a categoria mais simples, com um processo de fabricação em linha de montagem.

O resultado é um bom instrumento (desde que existe controle de qualidade), mas com variações de medidas e acabamentos. O verniz utilizado é mais simples também, geralmente sintético, abafando um pouco o som do instrumento.

Categoria B

Violinos feitos já com madeiras mais rajadas e selecionadas, consideradas de classe B. Com um processo de fabricação também em linha de produção, podem vir com alguma espessura incorreta.

Porém, recebem um cuidado maior durante a montagem, com um acabamento visivelmente melhor e mais bem feito. O verniz também é sintético, porém numa camada menor, que afeta em menor grau a distribuição do som.

Categoria A

São os modelos profissionais, produzidos apenas por algumas empresas, símbolo de fábricas já inexistentes. Seu processo de fabricação segue uma linha mais artesanal, ainda que não totalmente.

A madeira é totalmente selecionada, e possui um rajado natural. O verniz ainda sintético, é refinado, garantindo um som limpo e equilibrado.

Categoria AA

Violinos fabricados a partir de processos 100% artesanais. Com preços extremamente elásticos (que variam conforme cada material colocado), são peças únicas para cada comprador.

O acabamento é impecável em suas medidas, com verniz à base de óleo ou álcool para afetar o mínimo possível a sonoridade do instrumento. O resultado é um violino bem dimensionado, belíssimo em formato e sonoridade, extremamente bem equilibrado. Com um preço salgado à altura.

foco

Preste atenção! Mesmo que exista uma categorização, é bastante difícil esta informação ser disponível nos instrumentos. O que você deve fazer ao se interessar por um, é pesquisar seu modelo e ver onde ele se enquadra.

Violino elétrico ou acústico?

Mesmo os violinos não escaparam desta transição tecnológica. Atualmente, existem modelos desenhados especificamente para o uso elétrico do instrumento.

Até então, as formas mais comuns de se “eletrificar” um violino eram a colocação de um microfone próximo aos elfes, ou então a instalação de um sistema de captação com cabo.

Por ferir a estética e o corpo do violino, o sistema de captação sempre foi pouco utilizado. A alternativa mais comum sempre se manteve na anexação de um microfone para captação e reprodução, mas precisa ser um bom microfone.

Foto em close de violinistas em orquestra.

Ao longo dos anos o violino evoluiu para o modelo elétrico. (Fonte: HeungSoon / Pixabay)

Contudo, nas últimas décadas outras opções de violino apareceram no mercado. Beneficiando-se principalmente da estética, os violinos elétricos costumam ter o corpo sólido, ou mesmo desenhos e detalhes impossíveis de se possuir em um clássico. Afinal, toda mudança de desenho implica em alguma mudança sonora.

Se você pretende seguir a linha clássica, sem medo de errar você poderá comprar um violino acústico. Mas, se pretende dar o instrumento de presente para uma criança ou adolescente, é interessante perceber seus gostos.

Talvez um instrumento que possa ser eletrificado caia mais nas graças deles, facilitando a motivação em aprender. Para facilitar o entendimento, preparamos uma tabela com algumas das características mais distinguíveis.

Acústico Elétrico
Corpo Oco Sólido
Característica Podem ser amplificados Acústica nula ou extremamente baixa
Som Limpo Pode ser modificado
Audível Em qualquer situação Apenas com elétrica

Quanto custa?

Violinos, como você mesmo percebeu, podem variar em tamanho, categorias, processos de fabricação…a lista é bem grande. E cada característica vai afetar diretamente o seu preço. As diferenças são tão importantes que se você comprar por impulso, pode se arrepender amargamente.

De uma forma geral, você não precisa gasta muito para comprar o seu primeiro violino. Existem modelos de estudo com grande qualidade sonora a partir dos R$ 250. Uma soma pequena, se considerarmos que um instrumento musical bem cuidado, dura por anos.

Conforme o aprendizado avança, você pode investir num instrumento mais robusto e de maior sonoridade. Existem muitos profissionais que para” nas categorias até R$ 1.500, mesmo que existam instrumentos por mais de R$ 4.000.

Quem vai definir aquilo que precisa é você mesmo. Se a sonoridade de um produto mais em conta lhe parecer a melhor, opte por ele. Nem sempre o mais caro é o mais agradável.

Onde comprar?

Neste ponto, os violinos têm uma vantagem: são conhecidos de praticamente todas as pessoas. Por este motivo, praticamente toda loja de instrumentos musicais terá alguns modelos a lhe oferecer.

Lojas de departamento com algum setor de instrumentos, também lhe fornecerão a oportunidade de ver alguns modelos. Claro, apenas alguns modelos. Para você ter acesso a uma grande quantidade, precisará se deslocar a lojas especializadas, que não existem em toda cidade ou região.

Neste ponto, a solução mais prática é o comércio online, diversos websites confiáveis como a Amazon vão te ofertar uma grande quantidade de opções. Com preços justos e a entrega garantida em sua residência.

Critérios de compra: Fatores para comparar os diferentes modelos de violino

Você já pode se considerar um conhecedor dos violinos, sem dúvida. Porém, se está realmente pensando em adquirir um, é necessário prestar atenção em algumas características mais do que outras.

Por hora, ao pesquisar sobre o melhor instrumento para você (ou para dar de presente), concentre-se em:

  • Preço
  • Qualidade da madeira
  • Tamanho
  • Uso

Conhecendo os fatores em detalhes ficará mais fácil acertar na escolha, veja:

Preço

Um fator determinante para compra de qualquer instrumento musical é o preço. Com o objetivo de trazer alegria, boas vibrações e calma, ter uma conta enorme para pagar segue um rumo totalmente diferente desta ideia.

Você vai encontrar violinos com diferenças de preço realmente gritantes, o que pode te confundir um pouco antes de realizar a compra. Existem opções a preços bastante acessíveis, com uma ótima sonoridade e qualidade do instrumento.

Não seja exigente demais ao começar, o caminho das cordas nunca é tão fácil quanto parece, e se torna mais difícil conforme você segue por ele.

Foto de um violino dentro de um estojo de veludo bordô.

Um violino pode custar entre R$ 250 a mais de R$ 5 mil. (Fonte: LaPorte / Pixabay)

É possível que, dependendo de onde você more, existam alguns lugares que forneçam o serviço de aluguel de violino. Apesar de parecer uma boa opção, pondere bem sobre valores.

Um violino bem cuidado perde pouco valor de revenda, e você o terá à disposição diariamente. Sem falar que os aluguéis costumam pagar o valor do violino em menos de um ano.

Qualidade da madeira

Bom, certamente o assunto de faz lembrar em categorias de violino que já mencionamos. Existem diversos tipos de madeira (e mesmo outros elementos) que são utilizadas para a fabricação do instrumento.

Mas, para um bom violinista (e todos os músicos), nada se compara à qualidade da madeira. É por isso que violões, contrabaixos, violinos, violoncelos e outros continuam seguindo o processo tradicional de fabricação.

Pesquise sobre os tipos de madeira empregados na fabricação daquele modelo que você gostou. Fuja de qualquer coisa considerado abaixo da categoria C.

A qualidade do material vai permitir um menor esforço em esconder imperfeições ou corrigir falhas, tornando o instrumento limpo e belo.

Tamanho

Violinos exigem movimentos contínuos de ambos os braços, para formar os acordes e movimentar o arco (ou dedilhar). Ter um instrumento cujo tamanho se adapta ao do seu braço vai tornar a experiência mais prazerosa.

Foto de uma garota tocando um violino.

Com um instrumento do tamanho certo, crianças e adolescentes podem se dedicar ao aprendizado. (Fonte: Pexels / Pixabay)

Tocar um violino que seja pequeno demais, irá forçar os braços em movimentos mais curtos ou mesmo dificultá-los pelos ângulos necessários. Pode até parecer fácil manejar aquele arco, mas existe toda uma técnica com ângulo e velocidade.

Já que você tem acesso aos tamanhos através da tabela que trouxemos no Guia, identifique o comprimento do seu braço antes de pesquisar. A partir daí, siga para violinos que comportem este tamanho.

Uso

É aqui que concentramos os demais aspectos. Se você pretende tocar em recitais ou locais onde não é necessário amplificação, opte por um modelo acústico. Além de ser extremamente clássico, chamando atenção onde quer que você o use, ele ainda poderá ser “eletrificado”. É um instrumento bem versátil, neste aspecto.

Da mesma maneira, conforme o gênero musical que você pretende se aventurar, ou se tiver uma banda envolvida, isso vai te dar um caminho de instrumento. Tocar junto com instrumentos amplificados vai te exigir amplificar o violino.

É bastante comum que membros de bandas com gêneros mais modernos optem por violinos elétricos ao invés dos acústicos. A captação direto no instrumento vai permitir controles de volume e tonalidade nele próprio, além de toda uma variedade de efeitos posteriores.

(Fonte da imagem destacada: niekverlaan / Pixabay)

Por que você pode confiar em mim?

Pedro d'Ávila Músico e Viajante Incansável
Os cinco anos vagando pela Europa e tocando de metrô em metrô e deram a Pedro uma experiência de vida incrível, só comparada a seus anos e anos acampando pelo Brasil e pela América do Sul. Hoje, estabelecido em Dublin, ele segue conhecendo novos lugares e comparilhando o conhecimento adquirido com as experiências de vida.